Comissão do Senado aprova projeto que vai dar mais segurança aos motociclistas

Condutores e passageiros de motocicleta deverão usar – além do capacete – botas, luvas e vestimenta que cubra todo o corpo, como macacão ou calça e jaqueta, dotados de estrutura completa de proteção, bem como colete ou jaqueta airbag. A proposta do substitutivo ao PLS 404/2012 foi aprovada nesta quarta-feira (3/7) na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, com objetivo de dar mais segurança aos motociclistas, principais vítimas de acidentes de trânsito no País. Agora, a matéria segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e, posteriormente, para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), em decisão terminativa.

As medidas foram incorporadas pela senadora Ana Amélia (PP-RS), relatora do projeto criado pelo senador Humberto Costa (PT/PE). O texto original do PLS 404/2012 pedia apenas o uso de colete inflável de proteção (colete airbag) por condutores de motocicletas e assemelhados, bem como a isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados, do Imposto de Importação, da Contribuição para o PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social sobre estes equipamentos. A relatora acatou a isenção de IPI e do Imposto de Importação para os coletes e partes acessórias, mas não concordou com a exclusão do pagamento da Contribuição para o PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social.

O substitutivo aprovado pela CAS também inclui outros itens, além do colete, ao vestuário dos motociclistas, que terão o prazo de um ano para se adequarem à medida a partir da promulgação da lei. No caso do colete com airbag, o prazo para adaptação é de três anos.

O texto aprovado na CAS também modifica a Lei dos Motoboys (Lei 12.009/2009) para o uso de dispositivos retrorreflexivos nas roupas. O vestuário de segurança deverá ser fornecido aos motoboys pela empresa ou pessoa que empregar ou contratar o condutor, salvo quando o motociclista trabalhar como autônomo.

A proposta aprovada ainda altera o código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503/1997), para determinar que a condução sem estes itens de segurança, tanto do motociclista como do passageiro, configurará infração gravíssima. “Temos consciência das dificuldades que existirão para garantir a efetividade da norma que propomos. Não obstante, a história tem mostrado que o caminho da obediência às regras de trânsito passa não somente pela fiscalização, mas, principalmente, pela educação e conscientização de condutores, motoristas, passageiros e pedestres”, disse a senadora Ana Amélia.

No debate da matéria, a senadora Ana Rita (PT-ES) disse que a proposta vai contribuir para reduzir os acidentes de trânsito. Ela observou que, além dos problemas causados à saúde do condutor, os acidentes com motocicletas consomem grande parte dos recursos destinados à saúde.

Leia mais:
- Airbag para motoqueiros. Que tal?
- Projeto no Senado prevê colete inflável para motociclistas, com redução dos impostos

Fonte: Agência Senado.
Foto: reprodução da internet.