Bahia

Humberto segue para Petrolina para ato em defesa da Chesf

Humberto: Esse é um grande ato pluripartidário que está reunindo parlamentares, inclusive da base do governo, que sabem da irresponsabilidade que é a privatização de órgãos como a Eletrobrás e a Chesf.

Humberto: Esse é um grande ato pluripartidário que está reunindo parlamentares, inclusive da base do governo, que sabem da irresponsabilidade que é a privatização de órgãos como a Eletrobrás e a Chesf.

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), segue nesta sexta-feira (06) para a cidade de Petrolina, no sertão pernambucano, para participar de um grande ato cultural em defesa da Chesf e do rio São Francisco. O evento, intitulado #TodospeloVelhoChico, quer chamar a atenção da sociedade e dos dirigentes públicos para a necessidade da preservação do rio São Francisco e reunirá artistas, organizações não governamentais, movimentos sociais e políticos dos Estados que são banhados pelo rio.

“Não podemos deixar que esse governo ilegítimo privatize a Eletrobrás e a Chesf. A consequência disso será a privatização também do rio São Francisco, que é um patrimônio do Nordeste. Isso sem falar de muitos outros prejuízos sociais e econômicos, como o aumento da energia elétrica. É mais um retrocesso sem tamanho que Temer quer impor no Brasil”, alertou o senador Humberto.

O ato começa na cidade de Petrolina, às 15h, com uma saudação da Frente Parlamentar em Defesa da Chesf e do Rio São Francisco na Concha Acústica, ao lado da Catedral. Depois, todos seguem em romaria para o município de Juazeiro, na Bahia, onde acontecerão diversas atividades culturais e políticas.

“Esse é um grande ato pluripartidário que está reunindo parlamentares, inclusive da base do governo, que sabem da irresponsabilidade que é a privatização de órgãos como a Eletrobrás e a Chesf. Não deixaremos que isso aconteça de forma alguma e lutaremos com todas as armas que temos para que a Chesf e o rio São Francisco continuem sendo um patrimônio do povo nordestino”, afirmou o senador, que é vice-presidente da Frente Parlamentar.

Caravana de Lula mostrou destruição de Temer, resgatou conquistas do PT e propôs um novo Brasil, avalia Humberto

 

Humberto ressaltou que o legado do PT no Nordeste e em Pernambuco, mais especificamente, é algo visível e elogiado até por opositores ao partido. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto ressaltou que o legado do PT no Nordeste e em Pernambuco, mais especificamente, é algo visível e elogiado até por opositores ao partido. Foto: Roberto Stuckert Filho

Presente no ato de encerramento da caravana de Lula pelo Nordeste em São Luís (MA), nesta terça-feira (5), o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou que “o maior presidente da história do país” cumpriu a sua missão nos últimos 20 dias, após percorrer mais de 4 mil quilômetros em ônibus, barco e avião e conversar com centenas de pessoas pelos nove Estados da região.

“Ele esteve frente a frente com o povo mais sofrido do nosso país, que saiu da miséria e parou de morrer de fome no período de seca graças às políticas sociais implementadas durante o seu governo e o da presidenta Dilma. A população demonstrou todo o seu carinho pela maior figura política de nossa história e acompanhou toda a sua caravana em todos esses dias. Foi emocionante”, resumiu Humberto.

Para o senador, a passagem de Lula pelos nove estados do Nordeste também foi muito importante para denunciar todo o desmonte que está sendo promovido pelo governo de Michel Temer (PMDB), incluindo cortes sumários e sem critérios no Bolsa Família, no Minha Casa Minha Vida, no ProUni, no Farmácia Popular e nas obras de transposição do rio São Francisco.

O ato de despedida de Lula se deu diante de uma multidão, com milhares de pessoas aglomeradas e ansiosas para encontrar com o ex-presidente – marca da caravana –, em frente ao Palácio dos Leões, sede do governo do Maranhão.

Humberto participou intensamente da caminhada de Lula pelo Nordeste. Ele esteve com o ex-presidente no ato de inauguração da caravana, em Salvador (BA), no dia 17 de agosto, na Bahia, no Recife e em Ipojuca e no giro que Lula fez pelo Sertão pernambucano entre as passagens pelo Ceará e o Piauí, além do ato em São Luís.

“As pessoas contaram ao presidente que a vida hoje está muito mais difícil do que na época do seu governo. Elas querem a volta de Lula porque sabem que ele foi o principal responsável pela mudança mais radical registrada no Nordeste, que melhorou a qualidade de vida do nosso povo”, disse o líder da Oposição.

Humberto ressaltou que o legado do PT no Nordeste e em Pernambuco, mais especificamente, é algo visível e elogiado até por opositores ao partido. Ele lembrou que a região sempre foi lembrada por índices calamitosos de trabalho infantil, desnutrição, evasão escolar, entre outros, mas que agora registra, por exemplo, alta taxa de jovens em faculdades.

“Mais de 20% dos jovens nas universidades do país, hoje, são nordestinos. É a primeira vez que o Nordeste passa a região Sul em número de vagas na história. Isso só para falar em educação. Com o programa Luz para Todos, levamos energia a todas as casas da região e, com o de construção de cisternas, instalamos mais de 1,1 milhão de unidades. É algo absolutamente fantástico”, comentou.

O senador avalia que Lula deve descansar nos próximos dias para, em seguida, voltar a percorrer o país em outras caravanas com o objetivo de resgatar as conquistas do PT, questionar o desmanche da gestão Temer e apontar para a construção de um novo projeto de país a partir da sua volta à Presidência da República na eleição de 2018.

 

 

Lula levará esperança ao Brasil com caravana que começa hoje no Nordeste, diz Humberto

 

Humberto: “A viagem vai levar esperança ao povo brasileiro. Lula vai sair renovado com o apoio do povo, com a conversa com as pessoas e aprender muito com realidade atual do Nordeste. Foto: Ricardo Stuckert

Humberto: “A viagem vai levar esperança ao povo brasileiro. Lula vai sair renovado com o apoio do povo, com a conversa com as pessoas e aprender muito com realidade atual do Nordeste. Foto: Ricardo Stuckert

 

Com formato semelhante à histórica “Caravana da Cidadania” feita na década de 90, o ex-presidente Lula inicia, nesta quinta-feira (17), em Salvador, uma nova caravana pelo Nordeste a fim de se aproximar ainda mais do povo da região mais carente do país, que foi beneficiado pelas políticas sociais implementadas nos 13 anos de governos do PT, mas hoje é renegado com o desmonte promovido por Michel Temer (PMDB).

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), que estará ao lado de Lula hoje na Bahia e em grande parte do trajeto de 4 mil quilômetros que serão percorridos pelo ex-presidente em 25 municípios nos nove estados da região, avalia que é hora de levar esperança à população, principalmente diante do caos social que o país mergulhou sob a responsabilidade de Temer.

“Vamos denunciar, com veemência, todo o esfarelamento que acontece hoje em torno das políticas públicas, especialmente as sociais, como a exclusão sumária de mais de um milhão de famílias no Bolsa Família, programa referência para o mundo e que tanto ajuda os nordestinos”, afirmou Humberto.

Segundo ele, Lula vai conversar diretamente com as pessoas e conhecer agora, depois de ter sido presidente, os novos projetos que a região precisa para voltar ao caminho da redução das desigualdades sociais, crescimento econômico e da auto sustentabilidade.

“A viagem vai levar esperança ao povo brasileiro. Lula vai sair renovado com o apoio do povo, com a conversa com as pessoas e aprender muito com realidade atual do Nordeste. Será um aprendizado importante para que se reeleja presidente da República em 2018 e traga ao Brasil a felicidade novamente”, disse o senador.

O parlamentar ressaltou que várias medidas tomadas pelo governo Temer prejudicaram diretamente o povo sertanejo, como o fechamento de unidades do Farmácia Popular, a diminuição do Fies e do Pronatec, a redução do ritmo de execução de obras como a transposição do São Francisco e a Transnodestina, a diminuição do crédito do Minha Casa, Minha Vida e falta de prioridade nos estaleiros Atlântico Sul e Vard Promar, em Pernambuco.

Para o líder da Oposição, os projetos iniciados durante as gestões de Lula e Dilma na região andam, hoje, a passos de tartaruga porque o governo Temer deixa o Nordeste em segundo plano.

“Até a fábrica da Hemobrás eles queriam levar ao Sul. Mas nós vamos resgatar o nosso legado. Fizemos muitas coisas no Nordeste, como a transposição, a ampliação recorde de moradias, o Mais Médicos e a possibilidade de muitas famílias pobres colocar seus filhos na universidade. Vivíamos um tempo em que povo era feliz. Vamos enfatizar tudo nessa viagem”, resumiu Humberto.

Humberto pede convocação de Serra e critica Temer por discriminar Nordeste

Para líder do PT, governo interino reinaugura período de exclusão do Nordeste. Foto: Alessandro Dantas/Liderança do PT

Para líder do PT, governo interino reinaugura período de exclusão do Nordeste. Foto: Alessandro Dantas/Liderança do PT

 

 

Em discurso no Senado, o líder do PT na Casa, Humberto Costa (PT), anunciou que vai pedir a convocação do ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB), na comissão de Meio Ambiente, Fiscalização e Controle. A convocação tem como base as denúncias feitas pelo jornal El País do Uruguai em que o chanceler Rodolfo Nin Novoa acusa o ministro do governo interino de Michel Temer (PMDB) de tentar comprar o voto do Uruguai para impedir que a Venezuela assuma a presidência do Mercosul.

Segundo a reportagem, o chanceler uruguaio afirmou em conversa com parlamentares do país que Serra teria tentado negociar o voto contrário à Venezuela em troca de apoio em negociações comercias com países da África e com o Irã. Para Humberto, “as denúncias são graves” e podem representar um problema para as relações diplomáticas do Brasil “Se forem verdadeiras, as acusações depõem muito mal sobre o nosso país”, avaliou.

Também no plenário, o senador questionou duramente o tratamento discriminatório que Temer tem dispensado à região Nordeste, bem como ao Norte. De acordo como senador, as regiões “não estão na agenda” do peemedebista, que ainda não visitou nenhum dos 16 Estados que compõem as duas áreas.

“É preciso se tratar com justiça essas desigualdades. É preciso ter um olhar justo e diferenciado para perceber as necessidades, atacar as suas causas e resolver os problemas de acordo com essas mesmas carências. O governo interno não faz nem uma coisa nem outra. Faz pior: volta o seu olhar para quem mais possui, anuncia soluções para quem menos precisa”, disse Humberto, ao lembrar o anúncio recentemente de um aporte de cerca de quase R$ 3 bilhões para o Rio de Janeiro.

O líder classificou a falta de atenção com o Norte e o Nordeste como uma retaliação às regiões, que têm se posicionado historicamente ao lado de gestores comprometidos com políticas sociais e programas de governo que estão sendo desmontados pelo governo Temer.

“Essa missão temerária inclui voltar no tempo em termos de tratamento equânime a ricos e pobres, na relação entre a Federação e os Estados, na tentativa de virar as costas para o Norte e o Nordeste. Estamos atentos a isto. E não vamos aceitar o tratamento desigual que o governo interino começa a dispensar às regiões, ignorando por completo suas necessidades e especificidades”, disse Humberto.

Humberto afirmou que há uma grande mobilização de governadores do Norte e Nordeste, que pretende abranger os 48 senadores e 216 deputados federais dessas duas regiões para assegurar tratamento equilibrado e recursos para as duas regiões.

“Os termos dessa reivindicação estão sendo fechados em uma carta que os governadores – à frente Wellington Dias, do Piauí, e Rui Costa, da Bahia, ambos do PT – estão concluindo para entregar ao Planalto e divulgar à população. Queremos soluções que sejam justas, equilibradas e que levem em conta as demandas regionais. Que o presidente interino e sem voto não pense que a destruição de políticas públicas coerentes e do tratamento regional equânime que vinha sendo dispensado até agora, virá sem reação”, afirmou.

Humberto participa de ato com Dilma no Recife

Humberto: Nesta sexta, iremos reafirmar nosso apoio à presidenta Dilma. Foto: Assessoria de Imprensa

Humberto: Nesta sexta, iremos reafirmar nosso apoio à presidenta Dilma. Foto: Assessoria de Imprensa

 

O líder do governo Dilma Rousseff no Senado, Humberto Costa (PT), acompanha a agenda da presidente no Recife. Esta será a primeira vez que Dilma virá a capital pernambucana após ter sido afastada pelo processo de impeachment, que está sendo analisado pelo Senado. A programação da presidente no Recife faz parte de uma ação nacional para denunciar irregularidades no processo de impedimento. Somente esta semana, Dilma já visitou os Estados da Paraíba e da Bahia.

A agenda da presidenta começa às 12 horas, com um ato na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) com estudantes e docentes da instituição. Às 17 horas, Dilma participa de grande ato no Pátio do Carmo, no Centro do Recife. Organizado pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, o ato “Mulheres pela Democracia e Contra a Violência” vai reunir movimentos sociais, sindicalistas, lideranças políticas, militantes e pessoas contra o golpe parlamentar dado pelo Congresso.

“Recife já deu inúmeras demonstrações de que não aceita a interrupção do processo democrático e de repúdio a que a Constituição seja desrespeitada. Nesta sexta, teremos mais uma oportunidade de reafirmar essa posição e contribuir para garantirmos os votos necessários para a volta de Dilma”, afirmou Humberto.

O senador também fez críticas ao governo interino do presidente Michel Temer (PMDB). “O presidente golpista e provisório deixou bem claro qual é a agenda que ele quer impor ao país. Ele ameaça conquistas históricas dos brasileiros, quer cortar recursos da Saúde e da Educação e fazer um governo ilegítimo e sem nenhum apego às regras democráticas. Mas não vamos deixar isso acontecer. Vamos todos ocupar as ruas, as redes e dizer que os golpistas não passarão”, disse o senador.

CPI do Assassinato de Jovens aprova ida a Pernambuco

17986786358_89e109ad0e_k

A pedido de Humberto, senadores vêm ao Estado investigar mortes de jovens. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

 

A pedido do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o assassinato de jovens no Brasil aprovou, nesta quinta-feira (28), ida dos senadores a Pernambuco para realizar audiência pública com a finalidade de discutir o tema.

Os senadores chegarão ao Estado, em data ainda a ser definida, para debater com as autoridades e a sociedade pernambucanas os altos índices de mortes violentas de jovens no Estado, especialmente os do sexo masculino, negros e pobres.

“Os índices são alarmantes. O Fórum Nacional de Segurança Pública aponta Pernambuco como o segundo Estado brasileiro de risco considerado ‘muito alto’ para os jovens. Em todo o território nacional, ficamos atrás, apenas, da Paraíba”, afirmou Humberto, que integra a CPI. “Esse é um dado que precisa ser compreendido para que possamos combater as suas causas.”

Humberto ressalta que o Pacto pela Vida estabelecido em Pernambuco foi uma política pública de grande relevância para o combate à violência no Estado, mas que novas ações precisam ser colocadas em prática para reverter índices ainda negativos. “Nossos jovens têm sido muito mais vítimas do que autores de crimes na sociedade”, explicou o líder do PT. Em Pernambuco, de acordo com levantamentos da CPI, morrem 11 vezes mais jovens negros do que brancos.

A Comissão solicitou à Secretaria de Vigilância em Saúde que forneça dados sobre as declarações de óbitos de todas as unidades da Federação disponíveis tanto no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM), como no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Para o DataSUS, órgão do Ministério da Saúde, a CPI determinou que sejam encaminhadas estimativas de população por Estado e município. O objetivo da Comissão será verificar, com o cruzamento de dados, as localidades com maior incidência de mortalidade de jovens e as características dessas mortes.

Além de Pernambuco, serão realizadas audiências no Maranhão, Rio Grande do Norte, Bahia, Roraima e Goiás, além de visitas in loco às cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Reassentados de Itaparica terão direitos assegurados, diz Humberto

 

Humberto articulou apoio do Governo Federal aos reassentados.  Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT

Humberto articulou apoio do Governo Federal aos reassentados. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT

Articulada pelo líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), a reunião entre os líderes dos reassentados nos perímetros irrigados de Itaparica e representantes do Governo Federal já apresenta resultados. O Ministério da Integração Nacional respondeu a todas as solicitações feitas pelos reassentados, entregues em um manifesto às autoridades. Mais de 5 mil famílias vivem no reassentamento de Itaparica em municípios de Pernambuco e Bahia.

O Governo enviou a Humberto um documento, assinado por secretários do Ministério da Integração Nacional, Codevasf e Secretaria-Geral da Presidência da República, em que se compromete a dar continuidade às políticas públicas no local e a não interromper os serviços de fornecimento de energia elétrica, uma das maiores preocupações da comunidade. O Governo planeja criar uma Mesa de Diálogo Permanente na segunda quinzena de junho.

O senador lembra que o reassentamento de Itaparica é uma conquista resultante da população rural ocupante das terras que foram inundadas pela formação do reservatório da Hidrelétrica de Itaparica, garantida por meio de um acordo firmado com a Chesf em 1986 – ainda durante a ocupação do canteiro e paralisação das obras da barragem.

Os projetos de irrigação estão localizados nos municípios de Glória, Rodelas e Curaça, na Bahia; e Santa Maria da Boa Vista, Orocó, Belém de São Francisco e Petrolândia, em Pernambuco.

“Trata-se de uma importante área no Nordeste brasileiro que se desenvolve e garante renda e emprego às pessoas. Os projetos somam 18 mil hectares de áreas irrigadas, que geram um PIB agrícola de cerca de R$ 200 milhões por ano para a região”, ressaltou Humberto, durante o encontro ocorrido na última quinta-feira (21). De acordo com dados da Codevasf, 40 mil pessoas dependem diretamente dessas atividades agrícolas.

O manifesto entregue ao Governo Federal diz que as atividades nos reassentamentos correm o risco de serem paralisadas porque a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) e a Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), assim como as empresas responsáveis pelos serviços de manutenção e operação, ameaçam cortar o fornecimento de energia.

Segundo os reassentados, isso ocorre porque o Ministério de Minas e Energia e a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) decidiram cancelar o convênio que mantém os serviços. Além disso, de acordo com os líderes do movimento, o Governo também vai cortar os recursos para o reassentamento.

O Governo informou que criará um grupo de trabalho interministerial, composto por integrantes dos Ministérios da Integração Nacional e do Desenvolvimento Agrário, do Incra, da Codevasf e do Dnocs, que terá prazo de 60 dias para a definição de prioridades das áreas de reassentamento.

O grupo será responsável por sugerir o modelo de gestão e custeio sustentáveis da infraestrutura de irrigação de uso comum no Sistema Itaparica, além dos procedimentos e metodologia para adoção de tarifas de água.

Na sexta-feira (22), último dia do Grito da Terra Brasil 2015, que teve como tema principal o “Desenvolvimento Rural Sustentável com garantia de Direitos e Soberania Alimentar”, Humberto visitou o assentamento Normandia, em Caruaru, e participou de outra reunião com a secretária-executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Maria Fernanda, e com integrantes do MST.

Humberto destaca entrega de cisternas pela Codevasf

 

Foto: Codevasf

Foto: Codevasf

 

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, comemorou os resultados da política do Governo Federal de convivência com a seca. Em dezembro, a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba) atingiu a meta da instalação de cisternas em Pernambuco e em todos os estados do Semiárido. Ao todo, foram mais 172 mil cisternas instaladas, cerca de 40 mil só em Pernambuco.

“O que o Governo Federal vem fazendo é preparando a população para conviver com o problema da falta de chuvas, trazendo qualidade de vida e fazendo com que o drama de ver pessoas sem ter o que comer e beber por causa da estiagem fique definitivamente no passado”, afirmou o senador Humberto Costa.

Além de Pernambuco, o programa atende os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Piauí e Sergipe, beneficiando cerca de 860 mil pessoas. A entrega de cisternas faz parte do programa Água Para Todos, que reúne um conjunto de ações que busca universalizar o acesso e o uso de água para consumo humano e para a produção agrícola.