Candidatura de Lula

Humberto faz giro pelo Agreste para prestar contas do mandato e defender Lula

A agenda começou no município de Feira Nova, passou por Taquaritinga do Norte e Toritama. Foto: Asscom HC

A agenda começou no município de Feira Nova, passou por Taquaritinga do Norte e Toritama. Foto: Asscom HC

 

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), visitou, nessa quinta-feira (26), o Agreste de Pernambuco para prestar contas dos benefícios destinados à região e defender a liberdade do ex-presidente Lula.

A agenda começou no município de Feira Nova, ao lado do prefeito Danílson Gonzaga (PSD) e da vereadora Dona Rosa (PT). Na ocasião, Humberto e Danílson planejaram mais investimentos e parcerias no próximo ano, por meio de emendas parlamentares do senador.

“Ficou acertado que vamos enviar recursos para o custeio da saúde e de outras prioridades de Feira Nova. Danílson vem trabalhando firme e sabe que sempre pode contar com o nosso apoio. Ele está fazendo uma bela gestão na cidade” afirmou o senador.

O prefeito também destacou a parceria e declarou o apoio à pré-candidatura de Humberto ao Senado. O senador tem ações em diversos setores da cidade: na saúde, destinou 210 mil reais em 2017 para a atenção básica; na cultura, foram investidos 150 mil reais neste ano; e, no conselho tutelar, um kit no valor de 100 mil reais.

“Eu voto em quem ajudou e trabalhou pela minha cidade. Humberto é um político que sempre me recebeu em Brasília e sempre me ajudou na liberação de recursos para Feira Nova” lembrou Danílson.

Em Taquaritinga do Norte, o encontro com o prefeito Lero (PR) , com vereadores da cidade e também de Santa Cruz do Capibaribe aconteceu no distrito de Pão de Açúcar, na Rádio Filadélfia FM. Humberto participou de uma entrevista na Rede Agreste de Rádio, ao lado do comunicador Alberes Xavier. O debate repercutiu muito nas cidades vizinhas, onde o senador também tem serviços prestados.

“Fizemos na entrevista uma prestação de contas com a região. Jataúba, Vertentes, Brejo, Toritama e Taquaritinga do Norte são cidades pelas quais me empenhei bastante para levar recursos e, nessas visitas, acompanhamos de perto o trabalho iniciado por nós e continuado por quem está à frente dos municípios” disse Humberto.

Na cidade de Toritama, Humberto visitou a sede do Conselho Tutelar do município, e conversou com os conselheiros sobre o KIT Conselho Tutelar que chegará este ano para ser utilizado por eles. No encontro com o prefeito Edílson Tavares (MDB), o diálogo foi sobre o cenário político nacional e local, além de conversas sobre as necessidades do município. O prefeito destacou o trabalho do senador.

“Humberto é um político muito querido e tem uma base forte aqui em Toritama. Antes da minha chegada à prefeitura, eu já sabia da força dele aqui. Hoje, felizmente, estamos trabalhando juntos” afirmou Edílson Tavares.

Humberto cobra explicações de Jungmann sobre suposto pedido para PF desobedecer ordem judicial de soltar Lula

Humberto: há notícias de que o ministro de Temer mobilizou a PF para que a instituição não cumprisse o alvará de soltura emitido pelo desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Rogério Favreto. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: Há notícias de que o ministro de Temer mobilizou a PF para que a instituição não cumprisse o alvará de soltura emitido pelo desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Rogério Favreto. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), anunciou, nesta terça-feira (10), que irá apresentar um pedido de informação ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para que explique uma suposta ordem dada por ele para que a Polícia Federal (PF) não cumprisse a ordem judicial de soltura do ex-presidente Lula, no domingo.

De acordo com o parlamentar, há notícias de que o ministro de Temer mobilizou a PF para que a instituição não cumprisse o alvará de soltura emitido pelo desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Rogério Favreto.

“Se essa mobilização for constatada, é um absurdo. O ministro vai ter de responder à sociedade e ao Congresso Nacional o que realmente fez naquele dia”, afirmou Humberto. O senador também criticou a articulação feita entre o juiz Sergio Moro e os desembargadores João Pedro Gebran Neto e Thompson Flores, presidente do TRF-4, para manter Lula na prisão.

“Se não serviu para restituir a liberdade de Lula, o pedido de sua soltura, pelo menos, demonstrou, mais uma vez, que ele segue preso injustamente. Tivemos a chance de acompanhar uma grande articulação que envolve setores do Judiciário, da grande mídia e do Ministério Público, que trabalham contra a candidatura de Lula a presidente da República”, disse.

Humberto reiterou que cabia ao desembargador do plantão, Rogério Favreto, decidir pela soltura ou não de Lula, e que o argumento usado pelo magistrado de que o petista está com o direito de ser candidato tolhido é extremamente correto e coerente.

“Lula tem sido impedido de participar pela leitura equivocada que a juíza de execuções penais fez sobre as restrições do direito do presidente Lula de ser candidato no pleito de outubro. O desembargador apenas julgou do ponto de vista da liberdade de Lula de conceder entrevistas e participar de sabatinas e seminários como pré-candidato, um direito de todos”, ressaltou.

Para o líder da Oposição, a perda dos direitos políticos só acontece – e quanto a isso não há qualquer divergência jurídica – quando há sentença transitada em julgado. Até lá, Lula não deveria ser impedido de participar, como pré-candidato, de atos relacionados à sua campanha e se dirigir ao povo brasileiro.

“Essa proibição, inclusive, não está redigida na sua sentença condenatória. Além disso, a privação de liberdade na segunda instância não é um tema pacificado pelo Supremo Tribunal Federal. Muitos políticos condenados em segunda instância estão em campanha na rua, soltos. Por que com Lula é diferente?”, questionou.

O parlamentar avalia que o episódio de domingo maculou ainda mais a imagem do Brasil no exterior, pois mostrou ao mundo um cenário profundamente lamentável. “Todos viram que parte do poder Judiciário do nosso país está sendo instrumentalizado para interferir o direito de milhões de brasileiros de se manifestarem com o seu voto em 2018”, concluiu.

 

Veja o discurso na íntegra:

 

Humberto discute com movimento popular combate a golpe contra a democracia

 

Durante o encontro, o senador voltou a denunciar o julgamento de Lula no TRF da 4ª Regão. Foto: Asscom HC

Durante o encontro, o senador voltou a denunciar o julgamento de Lula no TRF da 4ª Regão. Foto: Asscom HC

 

Um chamado de resistência para garantir a candidatura do ex-presidente Lula. Esta foi a pauta principal do encontro promovido pelo Movimento Social Via do Trabalho, com a participação do senador Humberto Costa (PT). O líder da oposição no Senado Federal foi convidado pela executiva nacional do movimento para fazer uma análise do atual cenário político. O Via do Trabalho atua em todo o País exercendo consultoria para organizações não governamentais e movimentos sociais.

Durante o encontro, o senador voltou a denunciar o julgamento de Lula no Tribunal Regional Federal, que condenou o ex-presidente e ainda ampliou a pena para mais de 12 anos de prisão. “É mais uma etapa do golpe dado em 2016, quando a presidente Dilma foi retirada do poder. Agora, eles querem impedir que Lula seja candidato porque sabem que vão perder numa eleição democrática”, enfatizou Humberto, acrescentando: “E não podemos esquecer também a nossa luta contra essas reformas nefastas que vão contra o trabalhador. Vamos continuar contra”.

O senador lembrou as últimas pesquisas que apontam a liderança do ex-presidente em todos os cenários. “Mostram (as pesquisas) que temos uma grande vantagem sobre todos os outros candidatos citados. Precisamos garantir, nas ruas, nas redes sociais, a vontade do povo. Ficou claro que eleição sem Lula é fraude, é ilegítima”.

Para o coordenador nacional do Via do Trabalho, Renato Carvalho, o momento é de aglutinar forças. “Um debate com uma liderança nacional como o companheiro Humberto, neste momento do País, é importantíssimo. Estamos vivendo sob um estado de exceção, com um governo que vai contra os interesses do povo. Esse tipo de encontro fortalece os movimentos sociais juntamente com os partidos de esquerda contra essas decisões contra a população”, disse Carvalho.