Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba

Humberto comemora suspensão de reintegração de posse em Petrolina

Humberto esteve no local e viu de perto o trabalho, o esforço para desenvolver uma agricultura familiar sustentável na área . Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto esteve no local e viu de perto o trabalho, o esforço para desenvolver uma agricultura familiar sustentável na área . Foto: Roberto Stuckert Filho

 

O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), comemorou, nesta terça-feira (12), a decisão judicial que determinou a imediata suspensão da desocupação que seria feita hoje, a pedido da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), dos assentamentos Dom Tomaz e Democracia, em Petrolina, no Vale do Rio São Francisco.

O parlamentar avalia que foi uma importante vitória conquistada por cerca de 900 famílias que vivem e produzem, de maneira sustentável, na área de 1,5 mil hectares, contra a ganância da Codevasf. “A empresa, que deveria trabalhar ao lado dos agricultores, pediu a reintegração de posse dessa área ocupada dentro do Projeto Pontal. Outra aberração parida nesse governo Temer”, disparou.

Humberto contou que esteve no local na semana passada e viu de perto o trabalho, a produção agrícola das famílias, o esforço para desenvolver uma agricultura familiar sustentável na área que ocupam e onde plantam milho, feijão, mandioca e manga.

O terreno havia sido concedido a uma empresa vencedora de licitação em 2013, que não cumpriu com as exigências contratuais para produção na área e foi retirada do projeto. Os trabalhadores, então, ocuparam a terra e deram início à produção de alimentos por meio da agricultura familiar, mas acabaram virando algo da Codevasf, a mando da Casa Civil da Presidência da República.

A 17ª Vara da Justiça Federal, em Juazeiro (BA), impediu qualquer desocupação por parte da Polícia Federal, marcada para esta terça. “É importante que a Codevasf aproveite essa oportunidade e chame os trabalhadores para negociar. Não é possível que famílias que produzem alimentos em pleno sertão, num momento em que a fome está voltando, sejam impedidas de seguir trabalhando”, afirmou o líder da Oposição.

Lagoa Grande pede auxílio ao senador Humberto Costa para ensiladeiras

Humberto Costa e prefeito de Lagoa Grande maior
A prefeitura de Lagoa Grande, no sertão pernambucano, solicitou o auxílio do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), para garantir o recebimento de ensiladeiras a serem destinadas a agricultores familiares do município. O prefeito da cidade, Dhonikson Amorim, encaminhou a demanda da aquisição dos equipamentos à 3ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em dezembro do ano passado e conta com o apoio de Humberto para definir o pleito.

Em encontro nesta semana em Brasília com o líder do PT, o secretário de Orçamento, Planejamento e Gestão de Lagoa Grande, Robson Amorim, transmitiu o pleito do prefeito do município, que alega que os rebanhos dos agricultores do município ainda não dispõem de boa infraestrutura para a manutenção e reprodução dos bovinos, ovinos e caprinos, considerados uma das principais fontes de renda e da economia local.

Em períodos de grande estiagem como o atual, os agricultores enfrentam dificuldades para a produção de silagem, que é uma das melhores estratégias para alimentar os rebanhos de forma sustentável à produção de leite, carne ou como suplemento na alimentação.

Humberto se comprometeu com o secretário Robson Amorim a fazer gestões na Codevasf para tentar resolver a questão. A prefeitura pediu que as ensiladeiras sejam disponibilizadas por meio de doações ou comodato e garantiu que a capacitação técnica para uso do material vem sendo mantida de forma contínua pela prefeitura.

Os equipamentos requeridos para 34 associações da zona rural da cidade irão auxiliar os produtores rurais com a produção de mais ração, já que as máquinas cortam em tamanho adequado o material a ser guardado nos silos. A intenção é produzir mais ração e garantir a solidez do potencial econômico da zona rural de Lagoa Grande.