contribuição sindical

Temer agride trabalhador brasileiro com desmonte na CLT, diz Humberto

Humberto: Essa derrubada da CLT vem travestida de modernização, mas não reúne nada de moderno. Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

Humberto: Essa derrubada da CLT vem travestida de modernização, mas não reúne nada de moderno. Foto: Waldemir Barreto / Agência Senado

 

Um dia depois do deputado tucano Rogério Marinho (RN), relator da reforma trabalhista, anunciar que vai mexer em 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), criticou duramente a iniciativa, que tem o respaldo do presidente não eleito Michel Temer (PMDB), e conclamou a população a protestar contra a medida.

Para o senador, as mudanças, como o aumento da jornada de trabalho, o fim da contribuição sindical e a prevalência do acordado sobre o legislado, são uma verdadeira agressão em larga escala contra os trabalhadores brasileiros. Ele acredita que a proposta é completamente anacrônica e vai fazer a sociedade retroceder um século em direitos e conquistas, desmontando um legado que remonta à época do presidente Getúlio Vargas.

“Essa derrubada da CLT vem travestida de modernização, mas não reúne nada de moderno. É mais uma violência inominável que esse governo propõe, é mais um golpe que ele perpetra contra a população, deixando os trabalhadores em situação de absoluta vulnerabilidade”, declarou.

Segundo o parlamentar, o governo só tem compromisso com o extermínio do futuro, com a retirada de conquistas, de garantias e de uma legislação protetiva para aqueles que mais precisam. “Isso é uma forma vil e mesquinha de se aproveitar de um momento de crise para investir, violentamente, contra direitos, sob o pretexto de que isso melhoraria o ambiente de negócios no país. É uma enorme mentira, uma falácia desse governo funesto e desastroso”, detonou.

Ele ressaltou que as mudanças farão com que a lei seja rasgada para que os acordos coletivos prevaleçam sobre o que foi aprovado pelo Congresso Nacional; as contribuições sindicais sejam finalizadas; o trabalho intermitente seja incorporado ao texto; e as jornadas possam ser estendidas para até 12 horas de trabalho.

“Os empregados também ficarão jogados nas mãos dos patrões para discutir as condições do chamado trabalho remoto. Eles acabam com as contribuições que ajudam na estruturação dos foros de defesa dos interesses dos trabalhadores nas discussões classistas, que são os sindicatos”, disse.

Humberto entende que a prevalência dos acordos coletivos sobre o legislado prejudicará a parte mais fraca, que é a dos empregados, pois eles serão obrigados a aceitar as condições patronais e não terão mais legislação que os defenda.

O parlamentar avalia que, da mesma forma que o povo já conseguiu expressivas vitórias ao pressionar e impedir que a reforma da Previdência avançasse no Congresso, é importante que haja novas mobilizações para evitar o completo desmonte da CLT.

“Vamos colocar toda a nossa força nas ruas, meter pressão sobre este Congresso e travar uma batalha judicial, se necessário for, mas essa reforma trabalhista não vai passar aqui dentro. Não vamos permitir que mais esse retrocesso elimine as perspectivas de futuro dos brasileiros e, especialmente, da nossa juventude”, finalizou.