Goiana

Com voto de Humberto, Senado aprova MP que beneficia indústria automobilística no Nordeste

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030.

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Relator, em 2011, da Medida Provisória (MP) que possibilitou a instalação da fábrica da Fiat-Jeep em Goiana, na Mata Norte de Pernambuco, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou, nesta terça-feira (20), que a manutenção dos benefícios fiscais à indústria automobilística no Nordeste é de suma importância para o desenvolvimento regional do país.

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030. O texto, aprovado no início da noite pelo plenário do Senado, institui o chamado Programa Rota 2030 e segue, agora, para sanção presidencial.

“A renovação da medida é fundamental para a geração de empregos, tecnologia e para avanços sociais na nossa região. Só em Pernambuco, a fábrica da Fiat-Jeep emprega mais de 13,6 mil funcionários e produziu, só no ano passado, 179 mil veículos. Tudo isso se reflete em aumento das atividades como o comércio e o setor de serviços, desenvolvimento e renda aos pernambucanos”, afirmou.

O senador lembrou que a unidade da Fiat-Jeep em Goiana está transformando a vida de milhares de pessoas e também a qualidade da mão de obra de Pernambuco e do Nordeste: a fábrica tem 95% de trabalhadores nordestinos, sendo 85% pernambucanos.

Humberto avalia que a medida provisória mira no desenvolvimento mais igualitário do Brasil, política iniciada, segundo ele, no governo Lula e continuada no de Dilma. Para o senador, as medidas beneficiam diretamente o polo industrial e o Nordeste.

O líder da Oposição ressaltou que, de acordo com nota técnica da Consultoria do Orçamento da Câmara dos Deputados, os benefícios concedidos pela proposta somarão R$ 2,1 bilhões em 2019. O valor terá que ser previsto no orçamento. A previsão de renúncia é de R$ 1,6 bilhão em 2020 e o mesmo valor em 2021.

“Estamos dando mais uma chance para os nordestinos mostrarem que, em iguais condições, têm capacidade de mostrar ao Brasil que é possível fazer o país crescer de maneira mais democrática. Não dá para ficar centralizando os recursos apenas no centro-sul. É preciso diversificar os investimentos”, comentou.

Humberto comemora com indígenas vitória no STF e quer tratamento igual a quilombolas

Humberto: O Supremo enterra esse falacioso argumento do chamado marco temporal da ocupação. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: O Supremo enterra esse falacioso argumento do chamado marco temporal da ocupação. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Presente, nesta quarta-feira (16), nas manifestações dos povos indígenas e quilombolas em frente ao Supremo Tribunal Federal (STF), o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), comemorou a decisão dos ministros de negarem as indenizações pedidas pelo governo do Mato Grosso pela ocupação das áreas indígenas do Parque Nacional do Xingu e das reservas Nambikwára e Parecis.

Humberto avalia que os magistrados deram, hoje, uma grata demonstração de que o Supremo é favorável aos primeiros habitantes originários destas terras, que vieram sendo dizimados ao longo dos séculos e oprimidos pela expansão das fronteiras agrícolas. Na prática, a decisão livrou a União e a Fundação Nacional do Índio (Funai) de terem de pagar uma indenização de R$ 2 bilhões ao Mato Grosso.

“O Supremo enterra esse falacioso argumento do chamado marco temporal da ocupação, segundo o qual os direitos territoriais dos povos indígenas só teriam validade se eles estivessem em suas terras em 5 de outubro de 1988. É uma construção jurídica bizarra e racista, com o claro intuito de avançar sobre terras demarcadas e expulsar de todas elas os povos originários e os quilombolas que lá vivem”, afirmou o senador.

Apesar de contente com a decisão em favor dos índios, o parlamentar lamentou o adiamento de outra ação, prevista na pauta, que iria julgar a constitucionalidade do decreto de Lula, de 2003, que demarcou as terras ocupadas por quilombolas.

Mas ele espera que a Corte também respeite os milhões de remanescentes de escravos que existem em todo o território nacional vivendo em terras demarcadas. “É uma questão de justiça aos seus antepassados, com quem o Estado brasileiro tem uma dívida absolutamente impagável”, ressaltou.

Hemobrás
Em seu discurso no plenário do Senado nesta quarta-feira (16), Humberto também fez questão de reiterar que Pernambuco teve uma expressiva vitória ao garantir a manutenção da fábrica da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) em Goiana. A decisão foi anunciada pelo Ministério da Saúde no fim da tarde de ontem.

“Foi uma vitória contra a política rasteira praticada por esse governo ilegítimo e igualmente rasteiro de Michel Temer (PMDB). Depois de 10 anos e mais de R$ 1 bilhões investidos, a Hemobrás estava ameaçada pelos planos nada republicanos do ministro da Saúde, Ricardo Barros, de esvaziá-la por meio da construção de uma nova unidade em Maringá, no Paraná, seu reduto eleitoral”, afirmou.

O líder da Oposição chamou a decisão de Barros de “descarada e de caráter pessoal, absolutamente contrária à racionalidade econômica, a decisões técnicas e às boas regras da administração pública”. “Ele só recuou da sua ideia porque foi, desde sempre, contestado pela bancada de Pernambuco no Congresso Nacional. Ganhamos o apoio, inclusive, do Ministério Público, do Tribunal de Contas da União e da sociedade civil, dada a sua absurda falta de lógica”, observou Humberto.

 

Humberto diz que ministro debocha de pernambucanos

Humberto: Os quatro ministros pernambucanos (do DEM, do PSDB, do PPS e do PSB) que não deram ainda uma palavra a respeito do caso. Seria muito exigir altivez desses senhores cujo interesse maior está nos atos publicados no Diário Oficial, nos seus próprios interesses e dos patrocinadores de suas pastas. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: Os quatro ministros pernambucanos (do DEM, do PSDB, do PPS e do PSB) não deram ainda uma palavra a respeito do caso. Seria muito exigir altivez desses senhores cujo interesse maior está nos atos publicados no Diário Oficial, nos seus próprios interesses e dos patrocinadores de suas pastas. Foto: Roberto Stuckert Filho

Em discurso no Senado, o líder da Oposição, Humberto Costa, rebateu as declarações do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), sobre a possível retirada de parte da produção de hemoderivados do Estado para levar para o Paraná, reduto eleitoral do ministro. Para Humberto, Barroso faltou com o respeito aos pernambucanos.

“Estamos diante de um ministro que, além de usar de meias verdades e de soluções ilegais e tecnicamente questionáveis, ainda usa do deboche para dizer que não pretende voltar atrás. Um ministro que, diante de uma questão tão grave para toda uma região, aperta a tecla “virem-se”, dá as costas e vai embora”, afirmou.

Segundo Humberto, a decisão do ministro não é baseada em critérios técnicos. “Está tudo feito na base da pressa e da irresponsabilidade. Primeiro porque já existe um consórcio semelhante em andamento no SUS. Depois, pelo currículo das empresas envolvidas. A Octapharma já chegou a ser condenada pelo Cade. E a Tecpar por duas teve projeto de PDP na área de sangue reprovado. Até porque sua área de especialização é a de produtos veterinários”, denuciou Humberto

O senador também voltou a reforçar a necessidade de uma frente suprapartidária contra o desmonte da fábrica de Pernambuco. “Não deve haver disputas, mas união em torno da algo que é extremamente danoso para Pernambuco. Infelizmente, isto não está sendo levado em conta por quem mais deveria estar lutando pelo Estado. Falo dos quatro ministros pernambucanos (do DEM, do PSDB, do PPS e do PSB) que não deram ainda uma palavra a respeito do caso. Seria muito exigir altivez desses senhores cujo interesse maior está nos atos publicados no Diário Oficial, nos seus próprios interesses e dos patrocinadores de suas pastas. Mas, pelo menos, uma mensagem de apoio a uma luta que tem que ser de todos”, disse.

Para Humberto, argumento governista de que não tem dinheiro para concluir fábrica da Hemobrás é falácia

Humberto também disse que o ministro se apropria de políticas criadas no governo Dilma Rousseff (PT). Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto também disse que o ministro se apropria de políticas criadas no governo Dilma Rousseff (PT). Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Convocado para prestar explicações no Senado, nesta quarta-feira (2), sobre o esvaziamento da Hemobras em Pernambuco, o ministro Ricardo Barros (PP), não conseguiu responder aos questionamentos. A avaliação é do líder da Oposição, Humberto Costa (PT), que foi o autor do requerimento de convocação do ministro na Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Segundo o senador, o ministro caiu por diversas vezes em contradição e não deixou claro os motivos que levaram o ministério a defender a retirada de parte da fabricação de produtos da Hemobras de Pernambuco e levar para o Paraná, reduto eleitoral de Ricardo Barros. “Se nós levarmos em conta que o presidente comprou votos na Câmara Federal com R$2,5 bilhões em emendas para tentar barrar denúncia contra ele, me parece que não é argumento dizer que não tem os 250 milhões de reais para concluir a fábrica, que permaneceria em Pernambuco”, afirmou Humberto.

Humberto Costa também disse que o ministro se apropria de políticas criadas no governo Dilma Rousseff (PT). Ao se referir a Offset como uma nova estratégia adotada por ele para desenvolvimento tecnológico no SUS, Barros tentou assumir a paternidade da modalidade criada em 2013 e usada no plano de expansão de radioterapia do SUS. “É inaceitável que o ministro vá ao senado federal para contar inverdades”, disse
O senador também defendeu a escolha de Pernambuco para a construção da fábrica e criticou a posição dos ministros pernambucanos do governo de Michel Temer. “Se dependermos dos quatro ministros de Pernambuco para a conclusão da fábrica em Goiana, já podemos contar com a parte mais rentável indo pra Curitiba. Estes ministros são mais fiéis ao acompanhamento do Diário Oficial do que ao andamento dos ministérios”, criticou Humberto.

Temer não tem dinheiro para Hemobrás em PE, mas torra bilhões com emendas, diz Humberto

O evento em Goiana reuniu lideranças políticas, prefeitos e vereadores da região, além de representantes da sociedade civil organizada. Foto: Ascom HC

O evento em Goiana reuniu lideranças políticas, prefeitos e vereadores da região, além de representantes da sociedade civil organizada. Foto: Ascom HC

 

Em audiência pública na Câmara Municipal de Goiana (PE), nesta quinta-feira (27), para debater o futuro da fábrica da Hemobrás na cidade, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), criticou a possibilidade de transferência da produção de hemoderivados para o Paraná, estado do ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP), e pediu empenho para que os ministros pernambucanos defendam a manutenção da unidade no município da Zona da Mata Norte do Estado.

O empreendimento está ameaçado desde que Barros anunciou o seu projeto de construir uma fábrica da Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia em Maringá (PR), cidade onde tem base eleitoral.

Humberto, que vem articulando movimentos para evitar o esvaziamento da Hemobrás em Goiana, afirmou que o governo do presidente não eleito Michel Temer (PMDB) dispõe de recursos no orçamento para concluir as obras da empresa em Pernambuco, ao contrário do que alegou Barros, em reunião com a bancada do Estado, no começo deste mês.

“Ora, o governo está liberando bilhões de reais em emendas parlamentares para que deputados rejeitem a denúncia de corrupção contra Temer na Câmara. Como o ministro pode dizer que não tem os R$ 200 milhões necessários para finalizar o empreendimento no nosso Estado? Não podemos admitir esse argumento. O que falta é prioridade e atenção com o povo nordestino”, afirmou Humberto.

O evento em Goiana reuniu lideranças políticas, prefeitos e vereadores da região, além de representantes da sociedade civil organizada. “Só poderemos descansar na hora que esse governo corrupto e ilegítimo desistir dessa ideia. Pernambuco tem quatro ministros e eles, que até agora não fizeram nada para impedir esse desmonte, têm de se envolver nessa questão”, disse.

O senador se referiu aos ministros Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, Mendonça Filho (DEM), da Educação, Raul Jungmann (PPS), da Defesa, e Fernando Filho (PSB), de Minas e Energia.

O líder da Oposição ainda comemorou a decisão da 4ª Vara Cível do Distrito Federal, esta semana, que determinou a revogação da suspensão da Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP), referente à produção do fator VIII recombinante. Esse tipo específico é empregado no tratamento de hemofílicos e a parceria faz parte do plano de esvaziar a empresa em Pernambuco e construir uma nova fábrica no Paraná.

Humberto ressaltou que a unidade da Hemobrás de Goiana está localizada em uma área de 48 mil metros quadrados, já recebeu R$ 1 bilhão em investimentos para a sua construção e tem sua conclusão prevista para 2019. “Com os R$ 200 milhões restantes, o empreendimento seria concluído. O prejuízo será enorme caso isso não seja feito”, ressaltou.

Audiência pública em Goiana vai marcar luta em defesa da Hemobras

A Audiência Pública em Defesa da Hemobras, está sendo coordenada pelo líder da Oposição no Senado, Humberto Costa, pela deputada estadual Teresa Leitão, pelo vereador Del do Bode e pelo PT de Goiana. Foto: Roberto Stuckert Filho

A Audiência Pública em Defesa da Hemobras, está sendo coordenada pelo líder da Oposição no Senado, Humberto Costa, pela deputada estadual Teresa Leitão, pelo vereador Del do Bode e pelo PT de Goiana.
Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Em reação imediata à tentativa do governo federal de promover o esvaziamento da fábrica da Hemobras de Goiana, na Mata Norte do Estado, com a construção de unidade similar no sul do País, lideranças políticas e sindicais realizarão audiência pública para protestar contra a iniciativa. O ato ocorrerá no próximo dia 27, às 9h, na Câmara Municipal de Goiana e estão sendo convocados prefeitos e vereadores da região, bem como representantes de vários setores da sociedade civil organizada.

O ato, denominado Audiência Pública em Defesa da Hemobras, está sendo coordenado pelo líder da Oposição no Senado, Humberto Costa, pela deputada estadual Teresa Leitão, pelo vereador Del do Bode e pelo PT de Goiana.

Localizada em uma área de 48 mil metros quadrados, tendo recebido, até agora, investimentos federais de mais de R$ 1 bilhão e com a sua conclusão prevista para 2019, a fábrica da Hemobras, implantada há sete anos, nasceu de um projeto idealizado no governo do ex-presidente Lula quando Humberto era ministro da Saúde.A ideia do atual governo, através do titular da pasta, Ricardo Barros (PP-PR), é construir uma outra fábrica de hemoderivados na cidade de Maringá, no norte do Paraná. Na prática, um projeto esvazia o outro, uma vez que a nova unidade assumiria as funções hoje atribuídas à Hemobras. Maringá é o maior reduto eleitoral do ministro.

“Desmontar a Hemobras é só um pequeno exemplo da ação danosa e politicamente irresponsável do governo ilegítimo de Michel Temer, cuja palavra de ordem é dilapidar o patrimônio brasileiro e privilegiar aliados em desfavor da maioria dos trabalhadores. Mas, se ele pensa que não haverá reação, está muito enganado. Pernambuco vai se levantar contra esse absurdo”, afirmou Humberto.

Para o líder da Oposição, as tratativas do atual ministro da Saúde também constituem uma ação política e uma retaliação do governo federal contra Pernambuco. “O nosso Estado rejeita modelos de governo nefastos como o de Temer e sua camarilha. Saiu daqui uma das maiores votações dadas a Lula e a Dilma Rousseff, que foi tirada do governo por um golpe que contou com a participação decisiva do seu vice-presidente, que traiu a presidenta e foi colocado no governo pelos patrocinadores da ação golpista. Tudo isto, ninguém se engane, faz parte de um projeto retrógrado que pretende fazer o Nordeste andar pra trás e voltar a ser marcado pela seca e pela fome”, acrescentou Humberto Costa.

Empenho de Humberto reforça Conselhos Tutelares

Governo Federal entregou veículos aos conselhos de Pernambuco.  Foto: Assessoria de Comunicação

Governo Federal entregou veículos aos conselhos de Pernambuco. Foto: Assessoria de Comunicação

Em solenidade na Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), o Governo Federal entregou, na tarde desta quarta-feira (13), uma dezena de kits de equipamentos para Conselhos Tutelares a municípios de Pernambuco. O kit foi criado para ajudar no funcionamento dos conselhos no Estado e é composto por carro, computadores, impressoras, entre outros materiais. A liberação dos equipamentos contou com o empenho do líder do PT no Senado, Humberto Costa, além de nomes como o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto (PTB), e o presidente da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), Paulo Rubem Santiago (PDT).

“Nada disso seria possível sem o empenho desses parlamentares pernambucanos que entenderam a importância do funcionamento dos Conselhos Tutelares nos municípios e asseguraram a aquisição dos equipamentos e liberaram emendas”, disse o coordenador nacional do Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Marcelo Nascimento.

Para o senador Humberto Costa, que gravou um vídeo especialmente para o evento, a ação mostra a prioridade que o governo da presidenta Dilma vem dando a luta pelos direitos das crianças e dos adolescentes. “Criar as condições para que os conselhos tutelares possam exercer competentemente o seu trabalho é parte do compromisso que a presidenta assumiu. Eu também tenho procurado, junto à Secretaria de Direitos Humanos, garantir que todos os municípios pernambucanos possam ter conselhos tutelares com as condições ideais para o exercício das suas atividades. Por isso, tenho cobrado a liberação de recursos e apresentado emendas parlamentares”, assegurou Humberto.

O senador lembrou, ainda, da Lei nº 13.106/15, de sua autoria, sancionada recentemente por Dilma, que torna crime vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, a qualquer título, bebida alcoólica a crianças e adolescentes. “Com a parceria com os conselhos tutelares para a aplicação da lei, vamos ter, sem dúvida, uma grande eficácia da lei”, afirmou o líder do PT.

Foram beneficiados com os kits nessa nova entrega os municípios de Agrestina, Vertente do Lério, São Caetano, Garanhuns, Igarassu, Afrânio, Petrolina, Brejo da Madre de Deus, Nazaré da Mata, Águas Belas e Goiana. Também já receberam os equipamentos os municípios de Orocó e Surubim.

Com visita de Dilma, Humberto destaca força do Nordeste

 Um ano atrás, Dilma entregou o Dragão do Mar e batizou o Henrique Dias em Pernambuco.  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Um ano atrás, Dilma entregou o Dragão do Mar e batizou o Henrique Dias em Pernambuco. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), ressaltou nesta quarta-feira (13), em discurso na tribuna do plenário, que a viagem da presidenta Dilma Rousseff amanhã a Pernambuco para participar da cerimônia da viagem inaugural do navio petroleiro André Rebouças – o quinto produzido pelo Estaleiro Atlântico Sul, em Ipojuca – é mais uma prova da força do Nordeste no desenvolvimento do país.

É a segunda vez em 15 dias que Dilma vai ao Estado. No último dia 28, a presidenta esteve em Goiana, na Mata Norte pernambucana, para participar da inauguração da fábrica da Jeep. O ex-presidente Lula também viajou ao Estado, no mês passado, para prestigiar o lançamento da fábrica da Itaipava.

Para Humberto, o fato de Dilma e Lula terem estado em Pernambuco em três visitas, no último mês e meio, para promoverem inaugurações industriais é algo extremamente simbólico.

“Demonstra a prioridade que o desenvolvimento regional equilibrado da federação ganhou na pauta dos governos do PT, governos que se esforçaram para que as regiões brasileiras tivessem oportunidade de crescer de acordo com as suas potencialidades”, afirmou.

Não à toa, segundo o parlamentar, os resultados são visíveis. Além do crescimento industrial do Nordeste, a agricultura apresenta resultados extremamente positivos. As estatísticas oficiais apontam, por exemplo, que a região deverá produzir, somente este ano, uma safra de quase 19 milhões de toneladas, um aumento de 20% em relação ao ano passado.

Assim, a região deve ultrapassar a produção do Sudeste pela primeira vez na história do Levantamento Sistemático de Produção Agrícola, realizado pelo IBGE desde 1974, ou seja, há 41 anos.

“E tudo isso, toda essa superação, conquistada a despeito de uma das piores secas da história, vencida graças aos programas de segurança hídrica que têm modificado a história da nossa região”, observou.

Humberto lembrou ainda que o Nordeste cresceu 3,7% em 2014, destoando, positivamente, do resto do país, que cresceu 0,1% no mesmo período. O mesmo ocorreu no campo. No conjunto, a produção agrícola aumentou 9% na região e 1,8% no Brasil em 2014.

“Ao contrário das migalhas que, durante anos, nos foram jogadas pelo poder central, tratando o povo nordestino como miserável e incapaz, foi preciso que um filho da seca, que chegou a São Paulo num pau de arara, tivesse a coragem de mudar essa lógica e provasse ao país que o Nordeste não precisava de esmolas. Os resultados estão aí”, afirmou.

Além da cerimônia da viagem inaugural do navio petroleiro André Rebouças, a presidenta Dilma fará amanhã o batismo do sexto navio petroleiro, o Marcílio Dias, numa sólida demonstração de que a indústria naval brasileira, retomada pelo presidente Lula, é atualmente uma das mais importantes do planeta.

 

 

Assistam ao vídeo com trecho do discurso do senador:

Link: https://www.youtube.com/watch?v=YLk9mCxrR4g&feature=youtu.be

 

 

Humberto: “Arco Metropolitano é marco para desenvolvimento de Pernambuco”

A obra vai criar uma nova e moderna conexão do norte com o sul de Pernambuco, disse o senador.  Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

A obra vai criar uma nova e moderna conexão do norte com o sul de Pernambuco, disse o senador. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa, a declaração da presidente Dilma Rousseff de que vai iniciar o processo de licitação do Arco Metropolitano já no mês de maio representa “um importante marco” para o desenvolvimento econômico do Estado e do Nordeste. O anúncio da presidente Dilma foi feito na última segunda-feira (27), durante evento da inauguração da fábrica da Jeep, em Goiana.

O petista lembrou que, mesmo com a crise, a presidente Dilma tem dado continuidade ao projeto, iniciado pelo ex-presidente Lula, de garantir o crescimento regional. “Nos últimos 12 anos, trabalhamos para reequilibrar a Federação e induzir o desenvolvimento inclusivo do Nordeste, esquecido há muito tempo por Brasília. Recentemente, por exemplo, o Banco Central divulgou que o Nordeste cresceu 3,7% no ano passado, destoando, positivamente, do resto do Brasil, que cresceu 0,1% no mesmo período. É um resultado extraordinário”, destacou.

Humberto ainda falou sobre a importância do Arco para o Estado. “A obra vai criar uma nova e moderna conexão do norte com o sul de Pernambuco, nas bordas da Região Metropolitana do Recife com a Zona da Mata, fomentando uma arrojada ligação entre os municípios de toda essa área com o Porto de Suape e com o próprio interior do Estado”, disse o senador.

Ainda sobre a inauguração da Jeep, Humberto voltou a destacar a “criação de um novo polo automotivo” em Pernambuco. “Os números mostram, de fato, o gigantismo do complexo industrial. Foram investidos mais de R$ 7 bilhões para a sua execução, com a geração de mais de 9 mil empregos diretos e indiretos”, ressaltou o senador, que foi relator da Medida Provisória no Senado que criou as condições para que a fábrica pudesse ser instalada no Estado.

GOVERNO – O senador Humberto Costa ainda elogiou a escolha do senador Delcídio Amaral (PT-MS) para a liderança do governo. “A indicação não poderia ter sido melhor. Além de compor os quadros do PT, Delcídio é reconhecido por ter trânsito livre em todos os segmentos aqui da Casa, inclusive com a oposição”, disse.

Humberto sobre a Jeep: “Surge um polo automotivo em Pernambuco”

Humberto:  A Jeep trouxe para cá mais desenvolvimento e garantiu a geração de milhares de empregos. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Humberto: A Jeep trouxe para cá mais desenvolvimento e garantiu a geração de milhares de empregos. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

 

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, destacou a importância da inauguração da Fábrica da Jeep, hoje, em Goiana. O ato contou com a presença da presidenta Dilma Rousseff, do CEO da Fiat, Sergio Marchionne, do governador Paulo Câmara, do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto e outras lideranças políticas.

“Foi um momento histórico para Pernambuco porque concretizou o surgimento de um polo automotivo no Estado. A Jeep trouxe para cá mais desenvolvimento e garantiu a geração de milhares de empregos”, disse Humberto, que foi relator no Senado da Medida Provisória que garantiu a vinda da empresa para Pernambuco.

No evento, a presidenta Dilma ressaltou a parceria entre os governos federal e estadual. “Somos parceiros incondicionais para o desenvolvimento do Nordeste e Pernambuco”, afirmou Dilma, lembrando também a atuação decisiva do ex-presidente Lula e do ex-governador Eduardo Campos para trazer a empresa ao estado. “Nós fizemos escolhas que levaram a viabilidade dessa fábrica.”

No ato, a presidenta Dilma também aproveitou para anunciar a licitação do Trecho Sul do Arco Metropolitano, que vai de São Lourenço a Suape. Ela garantiu até o final de maio a finalização dos estudos para a inclusão do Trecho Norte dentro do processo de concessão.

“É também uma ação importante da presidenta Dilma. O Arco Metropolitano é fundamental para garantir uma melhor mobilidade na Região Metropolitana como um todo. Sabemos que, em tempos de crise, existem algumas dificuldades no orçamento, mas precisamos estar todos unidos para garantir a prioridade nos investimentos.”

FÁBRICA – O Polo Automotivo da Jeep tem investimento de R$ 7 bilhões. Só em 2015, no primeiro ano de operação da indústria, o impacto no PIB do estado deve chegar a cerca de 3%. Em 2018, a contribuição do novo polo para o PIB deve ser de cerca de 7%. A Jeep vai garantir 9 mil empregos diretos e indiretos no Estado.

Página 1 de 212