Humberto Costa

Humberto comemora aprovação de proposta que proíbe limite de dados em internet

Para Humberto, medida  irá eliminar os problemas que poderiam surgir das restrições de uso existentes nos contratos com franquias limitadas. Foto: Rafael Carlota

Para Humberto, medida irá eliminar os problemas que poderiam surgir das restrições de uso existentes nos contratos com franquias limitadas. Foto: Rafael Carlota

 

Autor de um projeto de lei que tem como objetivo garantir à população acesso ilimitado à internet banda larga fixa, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), trabalhou pela aprovação de uma proposta semelhante, no plenário da Casa, que vai proibir o corte do serviço após o alcance do limite estabelecido.

A matéria, que seguiu para a Câmara dos Deputados no fim da última semana, susta decisão da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que permitiu às operadoras de internet acabar com os planos ilimitados de dados. Para Humberto, é inadmissível que um órgão público criado para defender o interesse do cidadão atue contra a sociedade.

“Atualmente, as empresas prestadoras não precisam sequer fornecer o serviço com 100% da velocidade contratada, bastando que a média mensal chegue aos 80% do previsto no contrato. E, mesmo assim, ainda querem prejudicar o dia-a-dia de grande parte dos brasileiros, que utilizam a internet para o trabalho, estudo e lazer”, resumiu o senador.

O parlamentar avalia que a internet é, hoje, o principal meio de comunicação para uma parcela significativa da população e, diante desse cenário, é indispensável garantir o direito à contratação de serviços de conexão à internet sem franquias de consumo.

“Dessa forma, iremos eliminar os problemas que poderiam surgir das restrições de uso existentes nos contratos com franquias limitadas. Temos de garantir, especialmente aos mais pobres, a possibilidade de trabalhar com continuidade o seu acesso à internet, sem qualquer tipo de limitação por franquia e sem cobranças abusivas”, afirmou.

A iniciativa de Humberto tem grande respaldo dos brasileiros. Pesquisa DataSenado mostrou que 99% dos internautas são contra a limitação de dados na internet de banda larga fixa. Mais de 608 mil pessoas participaram de enquete, um recorde para o Senado.

Um abaixo assinado online no site do Avaaz, em menos de uma semana, também reuniu mais de 1,6 milhão assinaturas contra a medida da Anatel. O projeto de lei nº 174/2016, aprovado no Senado nessa quarta-feira, é de autoria de Ricardo Ferraço (PSDB-ES) e teve apensado outros projetos similares, como a proposição de Humberto.

Governo Temer vai subir impostos penalizando ainda mais os brasileiros, denuncia Humberto

Para Humberto,  essa medida vai penalizar ainda mais os mais pobres. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

Para Humberto, essa medida vai penalizar ainda mais os mais pobres. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nessa quinta-feira (23) que vai aumentar impostos já existentes e acabar com desonerações em diversos setores para cobrir um rombo “extra” de R$ 58,2 bilhões para o cumprimento do déficit primário que já estava estimado em R$ 139 bilhões. O líder da Oposição no Senado, Humberto Costa, afirmou que essa medida vai penalizar ainda mais os mais pobres.

“Esse Temer golpista está levando o Brasil para o fundo do poço e está direcionando as maiores perdas para o povo que já está sofrendo com a crise. Eles vendem soluções irresponsáveis que já sabíamos que não daria certo. Com isso, os brasileiros, principalmente os mais humildes, serão os mais prejudicados”, alertou o petista.

O ministro Meirelles afirmou que fará cortes de gastos, aumento de impostos, como por exemplo, PIS/Cofins, além de retirar isenções fiscais em diversos setores, sem detalhar quais seriam. Ele também não descartou um reajuste na tabela do Imposto de Renda a partir de 2018, que antes estava descartado pelo governo.

“Eles devem cortar recursos das áreas sociais, pois não têm o mínimo de comprometimento com o povo mais pobre. A inversão de prioridades deles é beneficiar os mais ricos e prejudicar os que mais precisam. Esse pessoal deveria ir atrás para taxar as grandes fortunas e não prejudicar a população que sempre viveu à margem da sociedade e que durante os governos Lula e Dilma conquistaram direitos” alegou o senador.

O Governo Federal deverá fazer o anúncio oficial desse aumento de impostos e diversos outros cortes nos próximos dias. “Tudo o que é projetado por esse governo não acontece. Sempre se esquivaram quando se falava em aumento de impostos e agora anunciam esse aumento. Disseram que não tinham prazo para mexer na tabela de imposto de renda e agora já anunciam para o ano que vem. É um golpe atrás do outro que estamos levando desse governo não eleito de Temer”, lamentou Humberto Costa.

“Não há rombo na Previdência”, diz ex-ministro

Gabas: Esse projeto de Reforma da Previdência é ruim para todo mundo. Não pode passar porque ela é cruel com toda a sociedade. Foto: Assessoria de Comunicação

Gabas: Esse projeto de Reforma da Previdência é ruim para todo mundo. Não pode passar porque ela é cruel com toda a sociedade. Foto: Assessoria de Comunicação

 

Em debate organizado pelo líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT), ontem, no Recife, o ex-ministro Carlos Gabas, criticou o projeto de Reforma da Previdência proposto pelo governo de Michel Temer (PMDB). Segundo ele. O governo vem “maquiando números” para defender mudanças que são “brutais e excludentes”.

“O governo faz uma confusão proposital dos números para dizer que estamos quebrados. Mas a verdade é que a Previdência não é deficitária. Podemos afirmar com muita certeza: a dificuldade apresentada hoje é conjuntural e não estrutural. E você não ataca um deficit conjuntural não indo na raiz do problema, que é a crise econômica”, disse Carlos Gabas, que estará nesta sexta-feira (24), às 10h, em Caruaru, no Agreste do Estado, também a convite do senador Humberto Costa, na sede da Acic (Associação Comercial e Empresarial de Caruaru) para falar sobre o projeto. O evento tem entrada franca.

Gabas disse, ainda, que a proposta não foi debatida com a população e pode gerar impactos econômicos ainda mais graves para um país em crise: “Esse projeto de Reforma da Previdência é ruim para todo mundo. Não pode passar porque ela é cruel com toda a sociedade. Tem que ser retirado. Não podemos ficar apresentando emenda. Tem que ser rejeitado na íntegra”. A proposta está tramitando na Câmara dos Deputados e, se aprovada, segue para o Senado Federal.

Segundo o senador Humberto Costa, o descontentamento com o projeto vem crescendo e a mobilização da sociedade contra a proposta é fundamental. “Na medida em que a população vem tomando conhecimento sobre a Reforma de Temer, aumenta também a sua rejeição . Por isso, é fundamental trazer essas informações para a sociedade. Só com a mobilização de todos vamos conseguir enterrar de vez esse projeto que é extremamente danoso para a população brasileira”, afirmou.

Para Humberto, covardia de Temer mostra derrota de reforma da Previdência

Líder da Oposição, Humberto tem andando pelo país em campanha contra as reformas de Temer. Foto Roberto Stuckert Filho

Líder da Oposição, Humberto tem andando pelo país em campanha contra as reformas de Temer. Foto Roberto Stuckert Filho

A decisão do governo do presidente não-eleito Michel Temer (PMDB) de jogar para os governadores e prefeitos a responsabilidade de penalizar servidores estaduais e municipais demonstra uma postura covarde e derrotista do Palácio do Planalto em relação à reforma, afirma o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE). De acordo com o senador, Temer resolveu “emendar o monstrengo que enviou ao Congresso” com a finalidade de tentar facilitar a aprovação do texto na Câmara dos Deputados.

“É uma postura ridícula e, mais uma vez, mostra a fraqueza desse governo perdido. Vendo que ia ser derrotado logo de início na sua proposta tosca de reforma da Previdência, ele joga para os governadores de Estado e prefeitos a responsabilidade de oprimir os seus próprios servidores. É um covarde quando quer destruir o sistema de seguridade e prejudicar os trabalhadores, e é mais covarde ainda quando não assume aquilo que propôs e quer transferir a terceiros as maldades que quer operar”, afirma o líder da Oposição.

De acordo com Humberto, Temer propôs uma fórmula que não tem qualquer amparo legal, tendo em que conta que o sistema de previdência do serviço público é verticalizado em todos os níveis, segundo a Constituição. “Ele propôs uma aberração, viu que ela não passa e, agora, que fazer um remendo incabível. Ou seja, Michel Temer vai parir um Frankestein”, explica o senador. “Mas não há a menor possibilidade de essa reforma ser aceita mesmo pela base dele. Aliás, base cada vez mais fraca e acuada pela pressão popular.”

Na tarde desta quinta-feira (23), Humberto estará, ao lado do ex-ministro da Previdência Carlos Gabas, em um evento no Sindicato dos Servidores Públicos no Estado de Pernambuco (Sindsep-PE), para discutir o desmonte do sistema de seguridade no país, que aumenta para 49 anos o tempo de contribuição e para 65 anos a idade mínima para a aposentadoria. As mulheres, os trabalhadores do campo, os professores e os policiais são alguns dos principais prejudicados.

Na sexta-feira, Carlos Gabas estará na Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (ACIC) para conversar com os trabalhadores do Agreste do Estado sobre o tema. Na noite da quarta-feira, Temer fez passar na Câmara dos Deputados um projeto de terceirização irrestrita no país que precariza as relações de trabalho. “Essa nova lei rasga a CLT e joga no lixo a carteira de trabalho. É a revogação da Lei Áurea”, atesta o líder da Oposição.

Temer rasgou a CLT e a carteira de trabalho, acusa Humberto

Bancada do PT levou patos, símbolo do golpe contra Dilma, ao plenário para protestar contra a perda de direitos. Foto:  Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Bancada do PT levou patos, símbolo do golpe contra Dilma, ao plenário para protestar contra a perda de direitos. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

 

O fim da especialização do trabalho no serviço público e em empresas privadas destrói mais de 80 anos de direitos e conquistas históricas dos trabalhadores e equivale à abolição da Lei Áurea. Essa é a avaliação do líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), sobre a votação da noite dessa quarta-feira (22), na Câmara dos Deputados, quando o plenário da Casa aprovou, por 231 votos a 188, um projeto de 1998 que permite a terceirização irrestrita no país. O texto segue à sanção do presidente não-eleito Michel Temer (PMDB), que articulou sua base governista para a aprovação do projeto. O PT fechou questão para que seus parlamentares votassem contra a matéria.

“É escandaloso. Temer mandou retirar dos arquivos da Câmara um texto do século passado, um texto de quase 20 anos, e empurrou goela abaixo para que seus aliados passassem como um gesto ao mercado.Esse governo precarizou, por completo, as relações de trabalho, destruindo todo um arcabouço erguido ao longo de décadas em favor dos trabalhadores”, denunciou Humberto, que foi à sessão da Câmara para tentar pressionar os deputados contra a aprovação do projeto.

O texto prevê, ainda, o aumento de três para seis meses do tempo de trabalho temporário, prazo que também pode ser alterado por meio de acordo ou convenção coletiva, que terão poder superior à lei. “A gente sabe que os empregadores são muito mais fortes que os empregados. O que vai ocorrer é que haverá uma pressão total por menores salários, maiores jornadas e não haverá mais CLT que proteja. A parte mais fraca vai ser obrigada a aceitar acordos absolutamente lesivos aos seus interesses”, explicou o líder da Oposição.

Para Humberto, a terceirização, tanto nas atividades-meio quanto nas atividades-fim das empresas, acaba com a especialização e joga no lixo a CLT e a carteira de trabalho. “Não haverá mais respeito às formações. Vamos virar um enorme centro de serviços gerais, onde todo mundo faz tudo pelo menor salário e jornadas mais estendidas. Essa é mais uma fatura paga àqueles que financiaram a deposição de Dilma Rousseff. O golpe é uma boneca russa. Assim que um se abre, sai outro de dentro.”

A Câmara aliviou, ainda, a responsabilidade das empresas em relação aos empregados. Em vez de responsabilidade solidária nas obrigações trabalhistas, o texto aprovado estabelece responsabilidade subsidiária da empresa contratante em relação à empresa de serviços terceirizados.

“Além disso, acaram com a garantia aos terceirizados do mesmo atendimento médico e ambulatorial, bem como acesso a refeitório, destinado aos empregados da contratante. É oficializar a criação de uma massa de indigentes, de uma discriminação absurda e inaceitável nos tempos atuais”, analisou o senador Humberto Costa, que esteve com representantes de centrais sindicais, da Justiça e do Ministério Público do Trabalho, que se opõem fortemente às mudanças. Juntamente com esses setores, o líder da Oposição estuda meios de ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) requerer a declaração de inconstitucionalidade do projeto.

Ex-ministro Carlos Gabas vem a Pernambuco debater a Reforma da Previdência

Humberto: Temos que discutir esse modelo que está sendo apresentado pelo governo, que penaliza o trabalhador e que vai afetar duramente a vida de milhões de brasileiros.  Foto: Rafael Carlota/ Assessoria de Comunicação

Humberto: Temos que discutir esse modelo que está sendo apresentado pelo governo, que penaliza o trabalhador e que vai afetar duramente a vida de milhões de brasileiros. Foto: Rafael Carlota/ Assessoria de Comunicação

Prevista para ser votada ainda no primeiro semestre de 2017 pelo Congresso Nacional, a Reforma da Previdência proposta pelo governo de Michel Temer (PMDB) será tema de debate em Pernambuco. Dois eventos, um em Recife e outro em Caruaru, serão realizados com a presença do ex-ministro dos governos de Lula e Dilma e especialista em Gestão de Sistemas de Seguridade Social, Carlos Gabas. A visita de Gabas está sendo organizada pelo gabinete senador e líder do PT no Senado, Humberto Costa.

Os encontros, que têm como mote “O que temer com a Reforma da Previdência”, acontecem em Recife, nesta quinta-feira (23), e em Caruaru (24), ambos com entrada franca. No Recife, o evento será no Sindsep, na Boa Vista, às 17h. A o evento ocorre na sede da Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic), às 10h.

Segundo Humberto, é fundamental ampliar o debate sobre a reforma proposta por Temer. “Temos que discutir esse modelo que está sendo apresentado pelo governo, que penaliza o trabalhador e que vai afetar duramente a vida de milhões de brasileiros”, afirmou.

Entre as mudanças propostas pela gestão peemedebista está a de alteração na idade mínima necessária para a aposentadoria, que hoje é de 55 anos para mulher e de 60 para homens. O novo projeto, por sua vez, determina que a idade seja maior, 65 anos, e igual para homens e mulheres. O tempo mínimo de contribuição também vai saltar de 15 anos para 25 anos.

O trabalhador também precisará contribuir 49 anos para assegurar o recebimento de 100% da aposentadoria, já que o tempo mínimo de 25 anos dará apenas direito a 76% do cálculo do benefício. Outra alteração é com relação à desvinculação do valor das pensões por morte do valor do salário mínimo. Somente com a desvinculação, cerca de quatro milhões de pessoas serão afetadas.

O projeto de Reforma da Previdência está sendo debatido na Câmara dos Deputados. Depois, a matéria segue para o plenário da Casa. Se aprovado, o projeto será encaminhado para o Senado.

“Temer se aposentou aos 55 anos, mas quer impor ao trabalhador brasileiro uma reforma cruel que, na prática, vai tirar dos trabalhadores o direito de se aposentar e de ter uma velhice digna, mas que mantém os privilégios de poucos grupos. Por isso, mais do que nunca, precisamos debater, estar junto da população e esclarecer o quanto esta reforma é danosa”, avalia o senador.

Ex-ministro Carlos Gabas participa de debate sobre a Reforma da Previdência em Caruaru

O encontro tem como mote “O que temer com a Reforma da Previdência”. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

O encontro tem como mote “O que temer com a Reforma da Previdência”. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

 

O gabinete do líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), promove evento em Caruaru, nesta sexta-feira (24), a partir das 10 horas, sobre a Reforma da Previdência, que foi proposta pelo governo de Michel Temer (PMDB). Humberto convidou o ex-ministro dos governos de Lula e Dilma, Carlos Gabas, que também é especialista em Gestão de Sistemas de Seguridade Social para debater sobre a reforma que tira os direitos dos trabalhadores brasileiros.

O encontro tem como mote “O que temer com a Reforma da Previdência”. O evento está sendo organizado juntamente com o gabinete do vereador do PT de Caruaru, Daniel Finizola. “Contamos com a ajuda importante de Daniel na organização desse debate em Caruaru. Ele está se mostrando um político promissor da região e está participando ativamente de discussões importantes como esse da reforma da Previdência”, afirmou Humberto.

Segundo o parlamentar petista, é fundamental ampliar o debate sobre a reforma proposta por Temer. “Temos que discutir esse modelo que está sendo apresentado pelo governo, que penaliza o trabalhador e que vai afetar duramente a vida de milhões de brasileiros”, afirmou.

Entre as mudanças propostas pela gestão peemedebista está a de alteração na idade mínima necessária para a aposentadoria, que hoje é de 55 anos para mulher e de 60 para homens. O novo projeto, por sua vez, determina que a idade seja maior, 65 anos, e igual para homens e mulheres. O tempo mínimo de contribuição também vai saltar de 15 anos para 25 anos.

O trabalhador também precisará contribuir durante 49 anos para assegurar o recebimento de 100% da aposentadoria, já que o tempo mínimo de 25 anos dará apenas direito a 76% do cálculo do benefício. Outra alteração é com relação à desvinculação do valor das pensões por morte do valor do salário mínimo. Somente com a desvinculação, cerca de quatro milhões de pessoas serão afetadas.

O projeto de Reforma da Previdência já está sendo debatido na comissão especial da Câmara dos Deputados e já recebeu mais 100 emendas parlamentares. Depois de votada na comissão, a matéria segue para o plenário da Casa. Se aprovado, o projeto será encaminhado para o Senado.

“Temer se aposentou aos 55 anos, mas quer impor ao trabalhador brasileiro uma reforma cruel que, na prática, vai tirar dos trabalhadores o direito de se aposentar e de ter uma velhice digna, mas que mantém os privilégios de poucos grupos. Por isso, mais do que nunca, precisamos debater, estar junto da população e esclarecer o quanto esta reforma é danosa”, avalia o senador.

Serviço:

“O que temer com a Reforma da Previdência”
- Caruaru
Data: 24/03
Hora: 10h
Local: Acic – R. Armando da Fonte, 15, Maurício de Nassau

Humberto defende fim do foro privilegiado em diálogo com Poderes

Humberto Costa entende que foro não pode servir para garantir privilégios. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Humberto Costa entende que foro não pode servir para garantir privilégios. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

A primeira sessão de debate da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que acaba com o fim do foro privilegiado a autoridades públicas será realizada nesta quarta-feira (22) no plenário do Senado. Defensor do fim dessa previsão legal, o líder da Oposição na Casa, Humberto Costa (PT-PE), avalia que o tema é sensível à população e exige uma discussão aprofundada. Cerca de 22 mil pessoas detêm a prerrogativa do foro no país.

Como se trata de uma PEC, que necessita de três quintos para ser aprovada, a matéria passará por cinco sessões de debate no plenário do Senado, incluindo uma temática, que contará com a participação de representantes dos Três Poderes.

De acordo com a proposta, autoridades do Executivo, Legislativo e Judiciário e do Ministério Público, em todos os níveis, perderão a previsão constitucional de foro por prerrogativa de função nos tribunais superiores e na Justiça Federal, para julgamento de crime comum.

“Temos de aprovar o fim do foro privilegiado, mas depois de chegar a um entendimento com todos os envolvidos na questão. Há um amplo entendimento na sociedade e no meio político de que a situação tem de mudar, mas o Congresso Nacional não pode legislar pelos outros Poderes. Tem de ser resultado de consenso”, avalia.

Humberto defende que o Senado realize a sessão temática com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), procuradores do Ministério Público e governadores.

A pressão pelo fim do foro é forte. Levantamento feito em 2007, pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), apontou que, da promulgação da Constituição de 1988 até maio de 2006, nenhuma autoridade havia sido condenada no STF, nas 130 ações penais ajuizadas.

Mas Humberto chama a atenção para casos em que a lentidão do Judiciário nas primeiras instâncias também pode livrar réus – justamente uma das reclamações da população, que aponta a impunidade como o principal problema do foro.

O líder da Oposição citou como exemplo de lentidão e possível falta de punição o episódio do chamado mensalão mineiro, que consiste na denúncia de uso irregular de recursos em campanhas do PSDB. Ele lembrou que, depois de ações tramitarem por muito tempo no STF, algumas foram remetidas à primeira instância após os acusados perderem o foro.

O ex-senador Clésio Andrade (PMDB) e o ex-deputado e ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) renunciaram aos seus mandatos. Agora, os processos correm o risco de prescrição. Azeredo foi condenado a 20 anos de prisão e entrou com um recurso no TJ-MG, sendo que dentro de dois anos o processo vai prescrever e provavelmente ele não vai ser julgado. O mesmo ocorre com Andrade.

“Então, não pode haver uma visão moralista, uma visão fácil de ser defendida que deve pautar isso. Nós temos que saber o que é que vai permitir à autoridade pública e à população que esses julgamentos sejam acelerados. Não há, no meu ponto de vista, garantia de que isso seja feito, seja no foro especial, seja na primeira instância”, resumiu.

Pirotecnia de investigadores fragiliza Operação Carne Fraca e o Brasil, diz Humberto

Humberto apoiou, nesta quarta, a convocação do delegado responsável pela Carne Fraca, Maurício Moscardi. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

Humberto apoiou, nesta quarta, a convocação do delegado responsável pela Carne Fraca, Maurício Moscardi. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

 

Preocupado com a recuperação econômica do país, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), criticou, nesta terça-feira (21), a maneira como os investigadores anunciaram publicamente a Operação Carne Fraca, na última sexta-feira (21). Desde a sua deflagração, o Brasil está sob forte pressão de países de diferentes continentes, que anunciaram restrições às importações brasileiras.

De acordo com o parlamentar, é necessário, neste momento, atenção total com a saúde pública, pois o alimento chega à mesa dos brasileiros todos os dias, e não só ao prato dos estrangeiros que consomem o produto.
“Evidentemente, estamos diante de um sério problema de saúde pública. Há, ao que parece, fortes evidências de crimes praticados por alguns frigoríficos. E isso tem de ser apurado e punido com rigor. Mas a forma como se conduziu a divulgação desses fatos é absolutamente questionável”, disparou.

O senador entende que houve pirotecnia no episódio, fato que se tornou comum, segundo ele, com a aparição de alguns agentes do Estado, que deveriam guardar sobriedade no exercício das suas funções e não ceder à tentação do narcisismo.

“Muita gente aqui no Congresso Nacional bateu palmas e achou bonito quando muitas arbitrariedades e abusos de autoridade foram cometidos contra integrantes do governo anterior, do nosso partido e contra o próprio presidente Lula. Pouquíssimos se manifestaram em relação a investigações mal feitas, a entrevistas e publicações apressadas sobre determinados casos, levando a problemas de altíssima gravidade e a prejuízos enormes”, ressaltou.

Humberto apoiou, nesta quarta, a convocação do delegado responsável pela Carne Fraca, Maurício Moscardi, o mesmo que, em entrevista recente, afirmou que o tempo para prender o ex-presidente Lula já passou.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) acabou aprovando convite para que o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daielo, dê explicações no Senado sobre a conduta do subordinado. Foram convidados ainda os ministros Blairo Maggi (Agricultura), Osmar Serraglio (Justiça), Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) e Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços).

“Se é verdade que só uma única amostra de carne foi analisada, isso é um escândalo. É um escândalo a tentativa de confundir: falar em colocar papelão dentro da carne se o papelão era a embalagem. Se isso é verdade, pelo amor de Deus, se isso é verdade, o funcionário público que toma uma atitude de transformar isso em uma denúncia que pode ajudar a terminar de quebrar a economia brasileira faz uma ciosa muito grave”, declarou.

No discurso, o líder da Oposição também fez questão de registrar a ida dos ex-presidentes Lula e Dilma a Monteiro, no último domingo, para fazer o que ele chamou de “inauguração popular” do canal leste da Transposição no São Francisco. Mais de 50 mil pessoas acompanharam o ato na cidade da região do Cariri paraibano.

“Foi algo realmente impressionante. Ao contrário de quando Temer esteve lá há alguns dias, eram visíveis a alegria e a satisfação do povo nordestino por receber os ex-presidentes. Um foi o responsável por iniciar a obra. A outra não deixou que em nenhum momento faltassem recursos para continuidade do projeto”, destacou.

Temer entrega aeroportos brasileiros para empresas estrangeiras, alerta Humberto

Humberto: Realmente, esse Temer golpista está cumprindo o que falou que iria fazer: vender o Brasil. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

Humberto: Realmente, esse Temer golpista está cumprindo o que falou que iria fazer: vender o Brasil. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

Cumprindo com a máxima de “vender tudo o que puder”, o Governo Temer anunciou, na última semana, a privatização de quatro aeroportos brasileiros. Todos eles serão explorados por grupos estrangeiros. Para o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT), o governo vem desenhando um grande desmonte do patrimônio público brasileiro.

“Estamos entregando uma mina de ouro, que são os nossos aeroportos, para empresas de capital internacional. Realmente, esse Temer golpista está cumprindo o que falou que iria fazer: vender o Brasil”, lamentou Humberto.

Os aeroportos em questão foram os de Fortaleza (CE), Salvador (BA), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS). Todos foram arrematados por empresas estrangeiras, sem a mínima participação de instituições brasileiras. Os grupos vencedores foram: a francesa Vinci, a alemã Fraport, que arrematou os aeroportos de Fortaleza e de Porto Alegre, e a suíça Zurich.

Juntos, os quatro aeroportos “renderam” aos cofres da União o valor de R$ 3,72 bilhões. “Esse presidente não eleito está dizendo que o dinheiro das privatizações e concessões vai ajudar a ‘salvar’ o Brasil. Mas quando não tivermos mais nada para vender, ele vai fazer o quê?”, indagou o parlamentar petista.

Humberto ainda lembrou que o Governo Federal anunciou, no início do mês, um grande pacote de concessões envolvendo 55 projetos que estarão disponíveis para a venda. “Eles querem entregar o Brasil para o capital estrangeiro a qualquer custo. Não é assim que se administra um país. Estamos caindo em um poço sem fundo, mas lutarei arduamente aqui no Senado para que isso não aconteça”, prometeu Humberto Costa.

Página 1 de 17012345...102030...Última »