humberto

Desequilibrado e despreparado, Bolsonaro pode levar o Brasil ao caos, diz Humberto

WhatsApp Image 2019-03-09 at 16.12.54 (1)

Ao visitar municípios da Zona da Mata Norte e do Agreste nesse fim de semana, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), se deparou com muitas perguntas da população da região sobre o presidente Jair Bolsonaro. Por onde passou, Humberto recebeu uma série de questionamentos sobre os primeiros dois meses do novo governo. Os moradores do interior de Pernambuco, que votaram majoritariamente contra o atual presidente, andam assutados com o descalabro do início da gestão Bolsonaro. Em todas as rodas de conversa com os seus eleitores e com lideranças políticas da região, o senador falou que, no Congresso, a sensação de muitos é também de perplexidade com o desequilíbrio e despreparo do presidente.

 

 

“Bolsonaro é desequilibrado e despreparado. Não tem condições de ser um Chefe de Estado. Convivi com ele na época em que era deputado federal. E ele sempre se mostrava um sujeito limitado e incapaz de exercer qualquer liderança. Infelizmente, o que eu posso dizer é que acredito que as coisas ainda vão ficar piores. E não é por não gostar de Bolsonaro. E, sim, porque a sua total inabilidade indica isso. Do nosso lado, seguiremos firmes na oposição, apresentando uma outra proposta de Brasil, de um país inclusive, que gere emprego e renda para os mais pobres”, afirmou o senador.

 

 

No sábado (9), Humberto visitou os municípios de Glória do Goitá, Feira Nova, Limoeiro e Lagoa do Carro. Na agenda, investimentos para os municípios e conversas com lideranças políticas. Em Glória do Goitá, Humberto conheceu, acompanhado da prefeita Adriana Paes, experiências de agroecologia e sustentabilidade que estão sendo desenvolvidas pelo Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta). Depois, seguiu para Feira Nova, onde acompanhou as obras de reforma do hospital Josefa Eusébia Rocha e visitou  o Conselho Tutelar do município, que contou com emenda do senador para a compra de carro e de kit para aprimorar o trabalho dos conselheiros. A emenda foi de cerca de R$ 100 mil. Humberto também conversou com o prefeito Danilson Gonzaga sobre possibilidade de mais recursos para o município.

 

 

Em Limoeiro, Humberto teve encontro com o prefeito João Luís Ferreira Filho também para tratar de novos investimentos para a cidade. Em seguida, o líder do PT foi para Lagoa do Carro onde se reuniu com a prefeita Judite Botafogo para a entrega de mais um carro e kit do Conselho Tutelar. “Foram agendas extremamente produtivas. Estamos visitando as cidades para agradecer a votação que tivemos, ouvir as demandas e saber como melhor podemos contribuir para o desenvolvimento desses municípios e do nosso Estado”, afirmou o senador.

 

 

CONSELHO POLÍTICO – Em todas as quatro cidades visitadas pelo senador, Humberto foi recepcionado pelos prefeitos dos municípios. Três delas fazem parte do arco de forças que garantiu a vitória da Frente Popular no Estado e outra integrou a chapa da oposição. “Estamos reaglutinando as forças e conversando com quem, inclusive, foi oposição ao governador Paulo Câmara na eleição. São tempos difíceis e esse é um momento de unirmos forças”, afirmou o senador. Nesta segunda feira (11), Humberto participa da primeira reunião do Conselho Político do Governo Paulo Câmara. O evento está marcado para as 9h, no Palácio do Campo das Princesas.

 

Para Humberto, falas de Bolsonaro geram clima de instabilidade no país

PHOTO-2019-03-07-15-33-47

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), rebateu a declaração do presidente Jair Bolsonaro que disse, nesta quinta-feira (7), que a “democracia só existe se as Forças Armadas quiserem”. Segundo Humberto, a fala do presidente desmerece a luta do povo brasileiro durante o regime militar.

 

 

“No Brasil, a democracia foi conquistada com muita luta pela população, que enfrentou uma ditadura para garantir o direito da população ao voto. O próprio vice, que é um militar de alta patente, teve que vir a público amenizar essa declaração”, afirmou.

 

 

Nos últimos dias, várias falas polêmicas do presidente geraram repercussão negativa em escala mundial. Durante o Carnaval, Bolsonaro chegou a publicar um vídeo com conteúdo pornográfico em suas redes sociais para tentar rebater as críticas que sofreu nas ruas de todo o país durante a folia.

 

 

Para Humberto, declarações inconsequentes e irresponsáveis, que desrespeitam o próprio cargo de presidente, geram um clima de instabilidade e afetam as relações políticas e econômicas do Brasil com outros países. “Nos dias de hoje, com as redes sociais, ninguém pode falar qualquer bobagem, principalmente quem tem a responsabilidade de ser presidente da República“.

 

 

 

Segundo o líder do PT, o governo Bolsonaro promete ainda “dias piores”. Ele acredita ser difícil o presidente completar os seus quatro anos no cargo. “Bolsonaro é desprovido de qualquer competência e bom senso. Ele é despreparado. Não sabe o que está acontecendo. Infelizmente, temos que nos preparar para o pior porque não sei se o país aguenta tanta ebulição”, afirmou o senador, que completou: “o governo não tem nenhum projeto de construção. É tudo para destruir, derrubar, acabar”.

 

 

 

Se Congresso não derrubar a reforma da Previdência, Judiciário o fará, diz Humberto

Foto: Roberto Stuckert Filho

Foto: Roberto Stuckert Filho

Indignado com as medidas previstas contra os brasileiros mais pobres na reforma da Previdência encaminhada pelo governo Bolsonaro (PSL) ao Congresso Nacional, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), declarou, nesta quarta-feira (27), que os parlamentares irão derrubar o projeto. Segundo ele, caso isso isso não ocorra, o Judiciário é que será o responsável por barrar a iniciativa.
“Quem vai ter coragem de votar aqui contra os idosos em extrema pobreza? Quem vai votar contra os trabalhadores do campo? Contra os professores? Contra os policiais de menores salários? Contra os servidores públicos de salários reduzidos, contra os trabalhadores em geral, a quem essa fatura miserável do ajuste está sendo imposta?”, disparou.
Para Humberto, a proposta agride a dignidade humana e lega ao futuro do Brasil uma legião de miseráveis que, sem qualquer condição de sobreviver, estará condenada à morte, com a finalidade de que se possa ter uma Previdência Social pretensamente saneada.
“O ajuste é todo feito nas costas dos mais pobres, em prejuízo dos mais pobres, para aumentar as mazelas dos mais pobres. É uma reforma caracterizada pelo caráter nitidamente excludente”, resumiu.
Segundo ele, é uma barbaridade propor que o trabalhador só receba a aposentadoria no valor integral depois de 40 anos de contribuição, principalmente num país onde campeia a informalidade pela falta de emprego. “Será praticamente impossível alguém cumprir esses requisitos. A consequência será o aumento do fosso social, jogando no abismo da miséria milhões de seres humanos, em sua maioria idosos e crianças”, lamentou.
O senador lembrou que a mesma crueldade foi aplicada ao trabalhador rural, que sente o peso de uma enxada de sol a sol, em condições muitas vezes inóspitas. Bolsonaro aumenta para 20 anos o tempo de contribuição e quer equiparar a idade mínima entre homens e mulheres. “É de uma atrocidade inaceitável, típica de quem não conhece a dureza do trabalho no campo ou de quem dele se locupleta”, observou.
O parlamentar reiterou que irá lutar para que os professores também não percam o especial do magistério nem tenham a idade aumentada para 60 anos, sem respeito às questões de gênero. Ele ainda criticou a proposta que impõe aos aposentados que voltaram ao mercado de trabalho para complementar a renda a perda do direito à multa rescisória de 40% sobre o saldo do FGTS.
“É uma reforma de perdas, perdas e somente perdas para o trabalhador. Não se fala em rever a política de desonerações que, somente este ano, deve tragar mais de R$ 300 bilhões. Não se fala no efetivo combate à sonegação, que deixa escoar pelos ralos da impunidade mais de meio trilhão de reais”, ressaltou.
O líder do PT fez questão de registrar que o governo Lula fez ajustes na Previdência Social, mas sem, jamais, retirar direitos dos trabalhadores e, sim, combatendo fraudes e corrigindo distorções que mais faziam todos perderem do que ganharem.
Agora, de acordo com ele, vem esse governo tacanho e entreguista dizer que o INSS é deficitário e gastar milhões do dinheiro do brasileiro para tentar convencer o próprio brasileiro de que trabalhar mais, contribuir mais e, no fim da vida, ganhar menos é um excelente negócio.
“Essa é a nova política de Bolsonaro. É o ouro de tolo com que ele enganou milhões e, agora, em flagrante prática de estelionato, tenta aprovar um projeto que jogará o povo brasileiro na miséria e no desalento. Vamos oferecer toda nossa oposição a essa proposta. Há alternativas para o Brasil crescer”, afirmou.

Áudios comprovam que Bolsonaro mentiu para esconder escândalo no Planalto, afirma Humberto

47073682181_255ea316e7_z

O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), cobrou, nesta terça-feira (19), explicações do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o escândalo das candidaturas laranjas e a mentira de que não havia tratado sobre o esquema com o então secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno.
Em um novo capítulo sobre a saída do ex-ministro, áudios vazados comprovaram que Bolsonaro mentiu ao dizer que não havia falado com Bebianno logo após as denúncias de corrupção envolvendo o fundo eleitoral na campanha do ano passado virem à tona. As gravações mostram que Bolsonaro e Bebianno debateram, via WhatsApp, as acusações sobre uso irregular de verba pública de R$ 400 mil em Pernambuco.
“Bolsonaro vai ter de explicar por que, como presidente, tentou esconder que havia tratado do escândalo com o ministro que trabalhava ao lado dele no Palácio do Planalto. Ele negou a conversa, chamou o ministro publicamente de mentiroso, demitiu-o e, agora, o Brasil descobre, mais uma vez, que o mentiroso é o próprio Bolsonaro. É um caso de alta gravidade, que precisa ser esclarecido e explicado ao povo brasileiro”, afirmou Humberto.
Para o senador, a crise no governo Bolsonaro atingiu a base no Congresso Nacional, ameaça a pauta do Executivo e deve lançar o Brasil numa paralisia ainda maior. “São 50 dias em que nada anda, tudo está parado. Tudo o que esse governo consegue produzir são apenas escândalos.”
O senador também questionou a forma com que o presidente vem tratando o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, deputado federal eleito por Minas Gerais e um dos pivôs do esquema de laranjas do PSL.
Na época, Marcelo presidia o partido no estado e é acusado por ex-candidatos de obrigá-los a repassar dinheiro recebido do fundo eleitoral à própria candidatura. “O ministro, no entanto, segue no cargo com a total conivência de Bolsonaro. Mas nós temos certeza de que, com o aprofundamento das investigações, ele será o próximo a cair”, disse Humberto.

 

Humberto Costa participa do seminário Projeto PE 14

humberto_igarassu

Um dia para discutir alternativas e métodos que possam desenvolver um Pernambuco melhor. Foi assim que dezenas de lideranças políticas e moradores de Igarassu, na Região Metropolitana do Recife, passaram este sábado (26).  O senador Humberto Costa foi um dos convidados para o encontro Pernambuco 14, um fórum de debates promovido pelo também senador e pré-candidato ao Governo do Estado Armando Monteiro (PTB).

Durante a reunião, foram debatidos os temas saúde, educação, segurança, qualificação profissional, infraestrutura, inclusão social, além do desenvolvimento econômico de Pernambuco. Os encontros, que vão acontecer em outras regiões do Estado, vão servir também para divulgar as ideias e propostas do petebista.

No discurso de encerramento do evento, Humberto Costa lembrou a importância de apoiar a chapa formada por Armando e pelo deputado federal João Paulo (PT), pré-candidato ao Senado. “Sabemos que esses são os nomes que vão poder mudar a história de Pernambuco, levar o Estado para outros níveis maiores, junto com a presidenta Dilma”, citou Humberto.

Neste domingo (27) o senador Humberto Costa segue para Petrolina, onde acontece outra plenária do projeto Pernambuco 14. Além de Igarassu e Petrolina, outras 12 cidades serão palco para os encontros.