Luciana Santos

Ao lado de lideranças do PT e governadores, Humberto participa do registro de Lula em Brasília

Para Humberto, o ato foi uma enorme demonstração da força política de Lula que, preso há mais de quatro meses em Curitiba, segue líder em todas as pesquisas de opinião para presidente. Foto: Ichiro Guerra

Para Humberto, o ato foi uma enorme demonstração da força política de Lula que, preso há mais de quatro meses em Curitiba, segue líder em todas as pesquisas de opinião para presidente. Foto: Ichiro Guerra

 

A Esplanada dos Ministérios ficou pequena para a marcha de mais de 10 mil pessoas, segundo cálculos dos organizadores, que foram a Brasília para participar, na tarde desta quarta-feira (15), do registro da candidatura de Lula à Presidência da República. Ao lado de Fernando Haddad, registrado como vice, de lideranças do PT e de governadores, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), acompanhou a multidão até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para Humberto, o ato foi uma enorme demonstração da força política de Lula que, preso há mais de quatro meses em Curitiba, segue líder em todas as pesquisas de opinião para presidente. O líder da Oposição, que participou de uma coletiva na sede do PT ao lado de governadores do partido, do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e da presidente nacional do PCdoB, deputada federal Luciana Santos (PE), acredita que a Justiça Eleitoral enfrentará uma grande crise de confiança se impugnar o registro de candidatura.

“Lula foi condenado em um processo político que, a cada dia, mostra seu lado mais repulsivo. Recentemente, ficamos sabendo, pelo diretor-geral da Polícia Federal, da imensa articulação para impedir a soltura do presidente, mesmo havendo um habeas corpus em seu favor. Se o TSE rejeitar o registro de uma candidatura de um cidadão cuja condenação injusta está subjudice, incorrerá numa vergonha sem precedentes”, afirmou o senador.

O depósito do registro da candidatura, que tem o ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como vice, também contou com a presença da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), candidata ao Senado por Minas Gerais, e da deputada estadual gaúcha Manuela D´Avila (PCdoB), que assumirá a vice de Lula quando o registro for confirmado.

Do lado de fora do TSE, milhares de manifestantes de todo o país – especialmente integrantes do Movimento dos Sem-Terra, que chegaram à capital federal em três grande colunas – acompanharam a entrega dos documentos para formalizar a candidatura de Lula e, depois, assistiram à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), apresentar o recibo emitido pela Justiça Eleitoral confirmando o depósito da papelada exigida para formalizar o ingresso oficial do partido na corrida presidencial.

Humberto se reúne com presidentes de partidos de esquerda e comemora fim da privatização da Eletrobrás

Humberto: oi uma vitória nossa. Derrotamos um Palácio do Planalto fragilizado pela própria incompetência. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: oi uma vitória nossa. Derrotamos um Palácio do Planalto fragilizado pela própria incompetência. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Um dos responsáveis pela articulação do lançamento do manifesto pela soberania nacional, contrário à privatização da Eletrobrás, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), comemorou, nesta quarta-feira (23), em reunião com os presidentes do PT, PDT, PSB, PSol, PCdoB e representante do PCB, a retirada de pauta da proposta que pavimentava o caminho da venda da empresa no Congresso Nacional.

Para Humberto, o reconhecimento do comando da Câmara e do Senado de que não haveria como votar a Medida Provisória (MP) de privatização do Sistema Eletrobrás – que inclui a Chesf – e retirá-la de pauta ocorreu graças à articulação dos movimentos sociais, de trabalhadores do grupo da empresa e também ao trabalho feito pela oposição no sentido de minar a unidade que havia na base aliada de Temer.

“Foi uma vitória nossa. Derrotamos um Palácio do Planalto fragilizado pela própria incompetência. Estamos vivendo um fim de feira. O Executivo não tem mais nenhuma solidariedade por parte de sua base e não tem mais qualquer condição de conduzir o país”, declarou.

O parlamentar lembrou que havia iniciativas absurdas na MP nº 814/2017, como a retirada de 20% do fundo social do pré-sal, criado para financiar a educação e a saúde, para ser empregado na construção de dutos. “Há uma grave falta de investimento nas refinarias, que influenciam o preço da gasolina. O Brasil está exportando petróleo e importando gasolina, graças às políticas de Temer”, disse.

O senador ressaltou que a frente de esquerda continuará na luta para melhorar a vida dos brasileiros e citou como outro resultado positivo do enfrentamento das bancadas dos partidos na Câmara e no Senado, junto com o povo nas ruas, o enterro da proposta da reforma da Previdência.

“Continuamos na batalha contra as retiradas de direitos, o relaxamento entreguista das normas de direito ambiental e a implementação de uma agenda econômica rentista que dá total prevalência aos lucros cada vez maiores do sistema financeiro”, complementou.

Os presidentes do PT, Gleisi Hoffmann, PDT, Carlos Lupi, PSB, Carlos Siqueira, PSol, Juliano Medeiros, e PCdoB, Luciana Santos, junto com o representante do PCB, combinaram de se reunir novamente em breve para traçar estratégias contra outras medidas absurdas de Temer. Os abusos de preços de itens básicos, como gás de cozinha e gasolina, estão na pauta.

Humberto vai à procuradora-geral Raquel Dodge em defesa da Chesf

Humberto avalia que o acompanhamento permanente por parte da Procuradoria-Geral da República sobre a possível privatização da Chesf será fundamental para aumentar a pressão sobre os planos do Palácio do Planalto. Foto: Antonio Augusto/PGR

Humberto avalia que o acompanhamento permanente por parte da Procuradoria-Geral da República sobre a possível privatização da Chesf será fundamental para aumentar a pressão sobre os planos do Palácio do Planalto. Foto: Antonio Augusto/PGR

 

 

Vice-presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), se reuniu, nesta terça-feira (21), com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, para tratar da situação da empresa e dos riscos da sua venda para o setor privado.

Segundo Humberto, a procuradora ouviu atentamente o relato feito sobre o assunto, que tratou dos impactos social e econômico diante da possível privatização planejada pelo governo Temer (PMDB), além das implicações ambientais, especialmente em relação à entrega do rio São Francisco às mãos de empresários.

“Pedimos que ela desse atenção, também, ao decreto editado pelo Poder Executivo que estimula a descotização das empresas públicas, incluindo as do setor elétrico. A procuradora-geral se mostrou extremamente sensível ao tema e afirmou que vai designar um procurador federal para acompanhar o desenrolar dessas questões, especificamente no que tange à Chesf”, declarou o senador.

O parlamentar ressaltou a importância estratégica da companhia elétrica para o Nordeste e lembrou que, na semana passada, a entidade anunciou um lucro de mais de R$ 1,2 bilhão nos primeiros nove meses deste ano e um investimento de R$ 890 milhões no mesmo período.

“Não dá para entregar de mão beijada e a preço de banana uma instituição que tem mais de 4,5 mil empregados e gera 25,8 GWh, abastecendo mais de 80% dos municípios do Nordeste. Temos de combater esse cruel plano do nefasto governo Temer em prol da população da região”, afirmou.

O senador avalia que o acompanhamento permanente por parte da Procuradoria-Geral da República sobre a possível privatização da Chesf será fundamental para aumentar a pressão sobre os planos do Palácio do Planalto.

“É muito importante que a sociedade civil e os órgãos públicos estejam atentos a esse crime de lesa-pátria de Temer. Estamos de olho e na luta para evitar a venda do nosso patrimônio”, concluiu. Outros deputados da Frente Parlamentar em Defesa da Chesf, como Danilo Cabral (PSB), Creuza Pereira (PSB) e Luciana Santos (PCdoB), também participaram da reunião com a procuradora Raquel Dodge.

Humberto e Paulo trabalham pelo hub no Ministério da Defesa

 Líder do PT e governador de Pernambuco conversam com ministro da Defesa, Aldo Rebelo, sobre hub da Latam no Recife. Foto: Assessoria de  Comunicação HC

Líder do PT e governador de Pernambuco conversam com ministro da Defesa, Aldo Rebelo, sobre hub da Latam no Recife. Foto: Assessoria de Comunicação HC

Em mais um passo no esforço de trazer para Pernambuco o novo hub da Latam, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), e o governador do Estado, Paulo Câmara (PSB), foram ao Ministério da Defesa na tarde desta quinta-feira (22) conversar com o ministro Aldo Rebelo sobre a cessão do terreno da Base Aérea para a Infraero, com a finalidade de ampliar a área do Aeroporto Internacional dos Guararapes, no Recife.
Eles pediram a Aldo que o Ministério da Defesa emita posição oficial a respeito da cessão para que o documento seja depositado nos estudos de viabilidade sobre Pernambuco abertos pela Latam.

“Reafirmei ao ministro o nosso posicionamento sobre a cessão da área para que possamos concorrer em condições de igualdade com as demais cidades na disputa, Natal e Fortaleza. A área da Base Aérea é ociosa, não há nenhum projeto da Aeronáutica para o local e, por isso, precisamos dessa anuência o mais rápido possível para que o aeroporto do Recife tenha condições de competitividade”, disse Humberto.

Segundo ele, o governador Paulo Câmara vai enviar, na próxima segunda-feira (26), documento ao Ministério para que se manifeste oficialmente a respeito da cessão da área. “A própria presidenta Dilma já comentou comigo que a FAB está instruída, desde que não haja nenhum óbice legal, a ceder o terreno à Infraero. Agora, precisamos de uma resposta oficial. E rápida”, declarou.

O parlamentar ressaltou que o Governo Federal trabalha de maneira isenta para dar condições iguais aos três Estados na disputa pela escolha da sede do hub. A companhia aérea Latam, formada pelas empresas TAM e LAN, deve decidir, até dezembro, qual das capitais sediará o seu centro de operações aéreas no Nordeste.

O projeto vai receber investimentos da ordem de US$ 1,3 bilhão (cerca de R$ 4 bilhões). A ideia é que o hub comece a operar em dezembro de 2016. A expectativa do setor aeronáutico brasileiro é de que o novo centro de voos crie entre 8 mil e 12 mil empregos diretos e indiretos.
A deputada Luciana Santos (PCdoB-PE) também participou da audiência no Ministério da Defesa nesta quinta-feira.

Para Humberto, Chinaglia é o melhor para presidir a Câmara

foto 2

 

Líder do PT no Senado, Humberto Costa, disse, hoje, que o candidato do seu partido para a presidência da Câmara Federal, Arlindo Chinaglia, é quem reúne as melhores condições para assumir o comando da casa na nova legislatura.

“Chinaglia é preparado, já foi, inclusive, presidente da Câmara. Quem o conhece sabe que ele sempre defendeu o diálogo com todos, principalmente com a oposição. Ele representa aquilo que a Câmara está precisando, alguém que tenha bom senso, veja o que é melhor para o País e defenda a autonomia do poder legislativo”, afirmou Humberto.

Humberto acompanhou nesta manhã o encontro do candidato com a bancada federal de Pernambuco. Além dele, estiveram presentes os deputados federais Silvio Costa (PSC), Jorge Corte Real (PTB), Ricardo Teobaldo (PTB), Gonzaga Patriota (PSB), Adalberto Cavalcanti (PTB), Zeca Cavalcanti (PTB), Kaio da Maniçoba (PTB), Luciana Santos (PCdoB), Fernando Ferro (PT) e João Paulo (PT) e o futuro líder da bancada do PT na Câmara, Sibá Machado.

De acordo com o senador, a disputa na Câmara deve ser definida no segundo turno. “Acho que, até para o debate, é bom que tenha mais de dois nomes disputando. Assim, temos condições de distinguir melhor as propostas. Chinaglia está bastante otimista”, afirmou o senador.

Humberto recebe pleito da comunidade científica sobre regulamentação da profissão de físico

Representantes da comunidade científica reuniram-se nesta semana com o líder do PT no Senado Federal, Humberto Costa (PE), para pedir apoio na regulamentação da profissão de físico. Acompanhados pela deputada federal Luciana Santos (PCdoB/PE), os cientistas também expuseram preocupação com a possibilidade de perda de recursos dos royalties do pré-sal para ciência e tecnologia. O senador se comprometeu a estudar a regulamentação da profissão de físico e explicou a importância da mobilização da comunidade científica na garantia de recursos para ciência e tecnologia.

“Há mais de dez anos discutimos a regulamentação da profissão de físico”, ressaltou o presidente da Sociedade Brasileira de Física (SBF) e membro da Academia Brasileira de Ciência, Celso Pinto. Segundo ele, outras profissões correlatas, como a de geofísico, estão próximas de serem regulamentadas. Isso pode tornar ilegal a possibilidade de físicos trabalharem nas funções de geofísicos em grandes empresas.

Segundo Pinto, essa preocupação também é de interesse dos físicos que atuam na área médica, responsáveis pela operação e calibre de equipamentos como ressonância magnética e laser. Ele acrescenta que a regulamentação estava prevista em projeto de lei que foi arquivado na legislatura anterior.

Petróleo – Pinto explicou que a comunidade científica está preocupada com o destino dos recursos dos royalties de petróleo para Ciência e Tecnologia, estimado em R$ 12 bilhões entre 2011 e 2020. Segundo ele, esse tema deverá ser considerado entre as várias propostas de repartição dos royalties de petróleo do pré-sal. “A perda seria muito grande para a ciência e tecnologia, área estratégica para o país”, enfatizou José Leonardo Ferreira, secretário da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Texto: Ines Andrade.
Foto: Anamaria Rossi.