programa social

Humberto: “Bolsa Família está ameaçado”

Humberto: O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos. Foto: Roberto Stuckert Filho

 
Líder da Oposição, o senador Humberto Costa (PT), disse temer o futuro do Bolsa Família após as declarações do ministro do Desenvolvimento Social e Agrário. Osmar Terra afirmou que pretende acabar o programa e promete criar outro projeto. Segundo Humberto, a iniciativa é uma ameaça a um dos programas mais bem sucedidos dos governos petistas, premiado pela ONU como exemplo de erradicação de pobreza. Hoje, 13,8 milhões de famílias dependem do programa.

“O fim do Bolsa Família é um crime de lesa-pátria. Vai empurrar milhões de pessoas de volta à miséria, à fome e até à morte. O mínimo de dignidade que as pessoas conseguiram ter está sendo tirado. A gente sabe o que o programa significa para o Nordeste, o que significa para aqueles que vivem em situação de vulnerabilidade. O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos”, afirmou o senador.

No lugar do Bolsa Família, o ministro promete a criação de um novo programa chamado “Bolsa Dignidade” que criará novas condições para que as famílias tenham acesso ao benefício, como a obrigação de jovens realizarem estágios em empresas privadas e serviços obrigatórios denominados, indevidamente, de “trabalhos voluntários”. “Na prática, o que pretendem é acabar com o programa, dificultando o acesso de famílias ao benefício, reeditando o trabalho infantil e fazendo com que famílias em condição de extrema pobreza se tornem ainda mais vulneráveis”, salientou.

Para o senador, a tentativa de acabar com o Bolsa Família tem objetivos eleitorais. “Todos sabem que o programa é uma das marcas do PT, foi um projeto que pensado e que dá resultados comprovados. Porque, às vésperas da eleição, querem criar outro programa? Que segurança vamos ter sobre os objetivos reais desse projeto?”, questionou Humberto.

Para Humberto, corte no Bolsa Família condena milhares de brasileiros à fome

Para Humberto, a realização de cortes no programa, num período em que o país bate recorde de desemprego, torna ainda mais drástico o problema. Foto: Roberto Stuckert Filho

Para Humberto, a realização de cortes no programa, num período em que o país bate recorde de desemprego, torna ainda mais drástico o problema. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

 

O corte determinado pelo governo de Michel Temer (PMDB) no benefício de 1,2 milhões de pessoas que recebiam o Bolsa Família levou o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), a combater duramente a medida. De acordo com o senador, a ação de Temer ameaça o futuro do programa, que foi reconhecido pela ONU como um projeto modelo para erradicação da pobreza extrema e retirou o Brasil do mapa mundial da fome. Só em julho passado, foram cancelados 543 mil benefícios do Bolsa Família. O corte inclui suspensões para avaliação e cancelamentos.

“Num momento em que o país vive uma grave crise econômica, o governo Temer segue na contramão e corta dos brasileiros mais pobres a oportunidade de o mínimo de dignidade, de colocar comida no prato. Na prática, Temer está condenando a fome milhares de brasileiros, enquanto distribui bilhões a deputados em emendas para mantê-los na base. É um escárnio”, disse o senador.

Humberto lembrou ainda que o Nordeste será a região mais atingida pelos cortes no programa. “São os nordestinos que têm sentido mais na pele os efeitos nocivos do governo Temer. A região é uma das principais beneficiadas pelo Bolsa Família e os efeitos desse corte já podem ser vistos e são estarrecedores. A fome voltou”, afirmou.

Para Humberto, a realização de cortes no programa, num período em que o país bate recorde de desemprego, torna ainda mais drástico o problema. Só este ano, 143 mil famílias que haviam deixado o programa voltaram a receber o benefício. Outras 525 mil famílias seguem na fila para entrar no Bolsa Família. “É triste perceber que um programa que tirou 42 milhões de pessoas da pobreza extrema está ameaçado por uma gestão ilegítima, que vende a qualquer preço o Brasil para se manter no poder. Mas não vamos assistir a isso calados. Seguiremos denunciando, criticando e propondo uma alternativa a esse desmonte do país”, sentenciou o senador.