Banco Central lançará sistema informatizado para reduzir burocracia no câmbio

O Banco Central (BC) vai implantar em outubro um novo sistema informatizado de registro de operações de câmbio para simplificar os negócios entre instituições autorizadas e seus clientes (mercado primário). Sistemática semelhante será ampliada, em julho de 2012, também para o mercado interbancário, formado por bancos e demais agentes financeiros (mercado secundário).
A informação foi divulgada pelo próprio BC, que acredita que a mudança reduzirá os custos das operações e melhorará a qualidade dos serviços. A instituição ainda acrescenta que a alteração moderniza a tecnologia dos sistemas informatizados de registro das operações ao adotar um modelo de envio de dados parecido com o usado pelo sistema de pagamentos brasileiros (SPG).
De acordo com a nota oficial, a alteração resultará numa redução de até 71% nos custos de ressarcimento do Sistema de Informações do BC (Sisbacen), que as instituições financeiras cobram dos clientes nas operações de compra e venda de moeda estrangeira. Os custos operacionais serão menores para o cliente, para o agente financeiro e para o BC.
Isso porque, além das mudanças tecnológicas, haverá simplificação nos contratos de câmbio, com a eliminação de informações atualmente consideradas desnecessárias. No lugar dos oito modelos de formulários hoje utilizados no mercado primário, será usado um modelo único, com indicação simples da operação: de compra ou venda, conforme o caso.
De acordo com a Circular 3.545 do BC, que altera o Regulamento do Mercado de Câmbio e Capitais Internacionais, as instituições autorizadas a operar com câmbio também ganharão autonomia para nomear mais de uma agência por praça, que poderão negociar a moeda estrangeira e fazer o respectivo registro no sistema. O regime atual só permite uma dependência por praça, que concentra todos os registros e responsabilidades do local.
O sistema de câmbio tem hoje 175 instituições autorizadas que registram, diariamente, 21 mil operações em média. O giro diário nas operações com clientes é de US$ 5,6 bilhões em média. Nas transações do mercado interbancário, o giro diário sobe para US$ 7,4 bilhões aproximadamente, segundo o BC.
Fonte: Agência Brasil.
Foto: BC/Divulgação.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment