Humberto Costa ressalta investimentos federais na Adutora do Agreste


O senador Humberto Costa (PT-PE) comemorou em Plenário nesta quarta-feira (5/6) a assinatura, pelo governo federal, da ordem de serviço para construção da Adutora do Agreste, no sertão de Pernambuco. O empreendimento, considerado o maior sistema integrado de abastecimento de água da América Latina, vai garantir água potável a mais de dois milhões de moradores de 68 cidades do agreste pernambucano.
O senador classificou a obra como de “fundamental importância” para o desenvolvimento dos municípios e para o bem-estar e a saúde daquela população. Ele explicou que a obra fará a água captada no canal do Eixo Leste do Projeto São Francisco chegar com regularidade a áreas periodicamente sujeitas à estiagem.
A primeira etapa de construção da adutora, orçada R$ 107 milhões, é composta por 118 quilômetros de tubulações que levarão a água do Rio São Francisco até os municípios de Arcoverde, Pesqueira, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano e Caruaru. De lá, a obra seguirá para Buíque, Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas e lati. A previsão de conclusão dessa primeira etapa, informou o senador, é de 24 meses, com custo total de R$ 360 milhões.
Segundo Humberto, o empreendimento deve receber, até março de 2015, investimento superior R$ 1 bilhão do governo federal, tendo extensão total de 1,3 mil quilômetros. O projeto, enfatizou, está em sintonia com as políticas de desenvolvimento regional dos governos do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff.
Como exemplo de resultado prático dessas políticas, o senador citou a instalação, em Pernambuco, da empresa francesa produtora de tubos e conexões que venceu a licitação para fornecer material para a adutora. A empresa vai inaugurar, em julho, um centro de distribuição na região metropolitana de Recife, com investimento privado da ordem de R$ 1 milhão, reduzindo custos de logística e gerando empregos em Pernambuco e no Nordeste.
“A Adutora do Agreste é a concretização de um sonho que remonta a mais de 20 anos. O sertanejo sabe, principalmente esse, de uma das regiões de Pernambuco com menor precipitação pluviométrica, que a água é a mola propulsora do desenvolvimento; como sabe, também, o quanto é sofrida a estiagem, o quanto é duro depender do abastecimento por meio de carros-pipas. O homem do campo, os pecuaristas dos municípios do agreste onde a criação de animais é uma vocação histórica celebram mais essa ação do governo da presidente Dilma”, afirmou.
Obras estruturantes – Humberto Costa garantiu ainda que a meta do governo federal é, até 2015, ampliar a capacidade de armazenagem de água no Nordeste, com a construção de novas barragens, para sete bilhões de metros cúbicos. Desse total, 609 milhões já estão à disposição da população, outro 1,1 bilhão está em execução e mais 2,7 bilhões de litros estão em licitação ou em ação preparatória.
Essas obras estruturantes de segurança hídrica, como barragens, adutoras e canais integram, observou o senador, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para melhorar a oferta de água, financiar o combate aos efeitos da estiagem e os empreendimentos de irrigação, de drenagem e de recuperação de estruturas danificadas.
Fonte: gabinete do senador Humberto Costa.
Foto: André Corrêa / Liderança do PT no Senado.

Humberto Costa ressalta investimentos federais na Adutora do Agreste


O senador Humberto Costa (PT-PE) comemorou em Plenário nesta quarta-feira (5/6) a assinatura, pelo governo federal, da ordem de serviço para construção da Adutora do Agreste, no sertão de Pernambuco. O empreendimento, considerado o maior sistema integrado de abastecimento de água da América Latina, vai garantir água potável a mais de dois milhões de moradores de 68 cidades do agreste pernambucano.
O senador classificou a obra como de “fundamental importância” para o desenvolvimento dos municípios e para o bem-estar e a saúde daquela população. Ele explicou que a obra fará a água captada no canal do Eixo Leste do Projeto São Francisco chegar com regularidade a áreas periodicamente sujeitas à estiagem.
A primeira etapa de construção da adutora, orçada R$ 107 milhões, é composta por 118 quilômetros de tubulações que levarão a água do Rio São Francisco até os municípios de Arcoverde, Pesqueira, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano e Caruaru. De lá, a obra seguirá para Buíque, Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas e lati. A previsão de conclusão dessa primeira etapa, informou o senador, é de 24 meses, com custo total de R$ 360 milhões.
Segundo Humberto, o empreendimento deve receber, até março de 2015, investimento superior R$ 1 bilhão do governo federal, tendo extensão total de 1,3 mil quilômetros. O projeto, enfatizou, está em sintonia com as políticas de desenvolvimento regional dos governos do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff.
Como exemplo de resultado prático dessas políticas, o senador citou a instalação, em Pernambuco, da empresa francesa produtora de tubos e conexões que venceu a licitação para fornecer material para a adutora. A empresa vai inaugurar, em julho, um centro de distribuição na região metropolitana de Recife, com investimento privado da ordem de R$ 1 milhão, reduzindo custos de logística e gerando empregos em Pernambuco e no Nordeste.
“A Adutora do Agreste é a concretização de um sonho que remonta a mais de 20 anos. O sertanejo sabe, principalmente esse, de uma das regiões de Pernambuco com menor precipitação pluviométrica, que a água é a mola propulsora do desenvolvimento; como sabe, também, o quanto é sofrida a estiagem, o quanto é duro depender do abastecimento por meio de carros-pipas. O homem do campo, os pecuaristas dos municípios do agreste onde a criação de animais é uma vocação histórica celebram mais essa ação do governo da presidente Dilma”, afirmou.
Obras estruturantes – Humberto Costa garantiu ainda que a meta do governo federal é, até 2015, ampliar a capacidade de armazenagem de água no Nordeste, com a construção de novas barragens, para sete bilhões de metros cúbicos. Desse total, 609 milhões já estão à disposição da população, outro 1,1 bilhão está em execução e mais 2,7 bilhões de litros estão em licitação ou em ação preparatória.
Essas obras estruturantes de segurança hídrica, como barragens, adutoras e canais integram, observou o senador, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para melhorar a oferta de água, financiar o combate aos efeitos da estiagem e os empreendimentos de irrigação, de drenagem e de recuperação de estruturas danificadas.
Fonte: gabinete do senador Humberto Costa.
Foto: André Corrêa / Liderança do PT no Senado.