Uma lição de dignidade de uma médica cearense

Em defesa da parcela da população que não tem acesso à saúde nem a médicos nos grotões do Brasil e pela melhoria do SUS, a médica Rafaela Alves Pacheco, natural do Ceará, entregou o cargo que ocupava na direção do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), que criticava o programa Mais Médicos, perseguia os coordenadores de cursos a estrangeiros no Estado e chegou a apoiar um ato em Recife promovendo o enterro do ministro da Saúde, Alexandre Padilha; em uma longa carta, ela expressa algo que muitos parecem ter esquecido: mais do que ganhar dinheiro ou fazer da medicina uma trincheira corporativista, ser médico é se doar pelo bem do próximo; Hipócrates com certeza aprovaria a decisão

“Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência…” é um dos principais trechos do famoso Juramento de Hipócrates, que os médicos fazem por ocasião da formatura do curso de medicina. Apesar disto, poucos são os que efetivamente honram os preceitos de honestidade e caridade. Nesta linha, a médica Rafaela Alves Pacheco, que foi de encontro à contrariedade e má vontade da classe médica em torno do programa Mais Médicos, do governo federal, é emblemática. “Não é só direito à saúde. É um direito humano ter acesso à saúde e, também, ao médico”, justifica Rafaela.
Em defesa da parcela da população que não tem acesso nem à saúde e nem a médicos nos grotões do Brasil e pela melhoria do Sistema Único de Saúde (SUS), ela entregou o cargo que ocupava na Diretoria de Relações Institucionais do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e vai voltar a exercer a sua especialização em Medicina da Família e Comunidade, especialidade semelhante a que os tão criticados médicos cubanos irão exercer dentro do programa Mais Médicos. Detalhe: ela trabalha junto ao Programa de Saúde da Família (PSF), da Prefeitura do Recife, onde o salário é inferior aos R$ 10 mil da bolsa oferecida aos inscritos no programa federal. Assim como ela, mais cinco médicos entregaram ou estão prestes a entregar os cargos que ocupam na diretoria do Simepe nos próximos dias.
“Existem muitas críticas contra o Mais Médicos, inclusive em relação à velocidade de implantação do programa, houve pouca discussão quanto ao sistema de distribuição destes profissionais junto aos municípios de todo o Estado, entre outros pontos. Mas independente desta discussão, existe uma necessidade urgente de médicos por parte da população. Isso independe também de questões trabalhistas ou discussões do gênero”, resume Rafaela. Segundo ela, a decisão de entregar o cargo na diretoria do Simepe foi uma questão de escolha entre a necessidade da população ou pelas questões trabalhistas. “Neste caso, escolhi a primeira”, resume a médica.
Segundo ela, outros fatores – todos ligados a questões de saúde básica – influenciaram em sua decisão. O primeiro entrave veio com um protesto, que contou com o apoio do Simepe, em frente ao Hospital da Restauração, no Centro da capital pernambucana, que é referência em traumatologia e considerada a maior emergência do Nordeste. Ali, no intuito de protestar contra o Mais Médicos, os profissionais promoveram um enterro simbólico do ministro da Saúde, Alexandre Padilha. “Simbolicamente é mais do que enterrar um ministro. É um enterro de toda a política de saúde do Ministério. Sim, existem falhas e deficiências graves, mas também existem muitas coisas boas e que funciona. Não se pode jogar tudo fora”, analisa Rafaela.
O segundo ponto foi a própria maneira como a categoria tratou os colegas estrangeiros. “A discussão não deve ser se o médico é estrangeiro ou não, mas se existem condições de trabalho. A chegada de estrangeiros em si não é prejudicial para o país. Pelo contrário. O Ministério fez a opção pelo sistema de missão internacional, como acontece em vários países do mundo, no lugar de fazer o revalida, como queria a classe médica. É claro que o problema não é só a falta de médicos. Mas a realidade é que faltam médicos e, além do mais, eles estão mal distribuídos”, afirma.
Uma outra razão para entregar o cargo foi o que ela chama de “perseguição” a alguns profissionais que saíram em defesa do Mais Médicos. “O ex-ministro da saúde e senador Humberto Costa e o atual secretário de saúde de Pernambuco, Mozart Sales, foram considerados personas non gratas pelo Simepe. Também foi encaminhada a abertura de um processo ético profissional contra os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Rodrigo Cariri e Paulo Santana, que são responsáveis pela coordenação do curso de formação dos profissionais estrangeiros que atuarão em Pernambuco”, explica. “Além disso, o Simepe estava elaborando uma campanha contra o Mais Médicos que na realidade denegria todo o SUS, algo pelo qual o Simepe sempre defendeu e lutou pela sua plena implantação ao longo de toda a sua história”, completa.
Razões semelhantes também foram dadas pela diretora financeira adjunta do Simepe, Verônica Cisneiro, para o seu desligamento. “É uma divergência no foco da condução de luta, do enfrentamento ao Mais Médicos. A discussão ficou toda focada unicamente na vinda dos estrangeiros, quando a gente sabe que a saúde tem outras dependências mais sérias em vários municípios”, declarou ela. “As entidades médicas focaram em rejeitar a presença dos outros médicos, o que é uma medida emergencial para locais mais afastados. Os médicos precisam se manter cobrando as questões estruturais que estão em segundo plano na mídia”. Procurado pelo PE247, o Simepe preferiu não se pronunciar sobre o assunto.
Sobre as críticas quanto à formação e qualificação dos profissionais estrangeiros, em especial os cubanos, Rafaela passa o recibo. “Não tem que ser contra ou a favor. Basta olhar os indicadores de saúde de Cuba no que diz respeito a mortalidade infantil, por exemplo, que é quase zero. Lá na Ilha, independente de concordar ou não com o regime, eles acreditam na medicina de prevenção e de atenção básica à saúde, atuam na medicina de família e comunidade. Com os poucos recursos disponíveis, eles conseguiram resultados baseados em prevenção que poucos países do mundo conseguiram. Só isso já diz muita coisa”, observa.
A decisão de Rafaela Alves Pacheco, 32 anos, cearense de nascimento e a segunda de toda a família a se formar em medicina, ganhou destaque após a sua carta de desligamento do Simepe alcançar as redes sociais. Ali, como uma espécie de “viral”, o texto de repúdio à forma com que o programa Mais Médicos vem sendo tratado pela classe médica repercutiu mais fortemente do que se fosse feita toda uma campanha de mídia e marketing tradicional.
Agora livre das amarras corporativistas, Rafaela deverá voltar a subir com mais frequência em locais e comunidades que possuem nomes que podem parecer estranhos, como Córrego do Jenipapo, Suvaco da Cobra, Córrego do Euclides ou Bola na Rede. Ali, ela realiza cerca de 250 atendimentos mensais junto aos moradores destas comunidades, com idades que vão desde o nascimento (incluindo os exames pré-natais) até idosos, além de visitas constantes a morros e bairros afastados e participação de reuniões do Programa de Saúde da Família.
Neste ponto, Hipócrates, o antigo grego que é considerado o pai da medicina e que teria escrito o texto base do juramento que marca o início da vida profissional dos novos médicos, deve estar orgulhoso de ver que ainda existe gente que se importa com a saúde do próximo mais do que com o corporativismo ou interesses mesquinhos e de pequena monta.
Confira a carta de desligamento da médica Rafaela Alves Pacheco:
A socialidade primária feita de coisas simples e arranjadas, de vizinhança e solidariedade está perdida no tempo. Nesta socialidade o ser humano não tem medida, ele é visto pela criatura que verdadeiramente é, na sua essência. Na sociedade de homens inteiros as sofisticações não existem. Não deve haver complexidades. O homem trabalha e divide o trabalho, ele sustenta e divide o sustento. Não há que armazenar porque sente a presença do semelhante. Esta sociedade, infelizmente, está no passado quase remoto, porém, não se perdeu na memória do poeta.” Marco Antônio Castelli
Recife, 29 de agosto de 2013
Caríssimos e caríssimas,
Há tanto o que falar e me pego subitamente sem saber por onde começar. Então, me permito começar pelo começo.
Muitos(as) de vocês conhecem boa parte de minha história. Sou cearense, nascida em Fortaleza, filha primogênita de um casal de funcionários públicos: minha mãe, sertaneja, professora, formada em Pedagogia. Meu pai, serrano, terminou o segundo grau, mas não fez nenhum curso superior.
Os dois vieram de famílias simples e de proles grandes. Meu pai tem dez irmãos. Minha mãe, 14. A vida deles nunca foi muito fácil, especialmente a de minha mãe. Meu avô materno fez uma morte súbita ainda jovem e minha avó (que todos vocês bem conhecem, por repetidas vezes eu citar seus sábios dizeres em reunião) precisou redobrar seus trabalhos com costura e bordado para conseguir a difícil tarefa de educar seus filhos. Educação essa que lhe parecia sagrada e da qual não abria mão, até porque pessoalmente nunca a teve.
Sou a segunda médica da minha família. Tenho um tio materno médico pediatra. Sei na carne as dificuldades que minha família e eu passamos para que esse meu sonho acontecesse. Não ser nascida em família abastarda ainda castra os sonhos de muita gente nesse país.
Eu consegui seguir o rumo que desejei, mas tenho a clareza que muitos não o fizeram, não porque não souberam desejar. Ou porque são “menores”, “piores” ou “mais fracos”. Não porque não foram “persistentes”. Há todo um sistema que retroalimenta e culpabiliza o inconsciente das massas com essa falsa certeza. Muitos não possuem a possibilidade de escolher seus caminhos de forma livre porque não tiveram oportunidade. Porque o jogo está todo errado. Porque no mundo em que vivemos não é suficiente ser. É preciso ter.
Nesse cenário há duas escolhas: a primeira, manter-se no estado das coisas e seguir no rumo das ondas, aprendendo a nadar e evitando o risco de se afogar. E há uma segunda escolha, mais perigosa, mais tênue e instável, que é a de ousar, de remar contra a maré. Eu escolhi há muitos anos, em nome dessas tais e tantas pessoas mais humildes e sem rumo que dedicaria meu suor, minha força, minha cognição e meus dias nessa segunda proposta, de modo a permitir que tivéssemos um dia, um mundo de fato partilhado entre todos e todas. É ideológico. É pessoal, é político. É existencial.
Assumi e assumo diariamente os riscos e contradições dessa escolha e construo minha trajetória absolutamente balizada por essa convicção. Alguns chamam isso de paixão. Para muitos pode parecer piegas, insensato. Pode parecer ridículo, obsoleto. Utópico demais. Mas acredito que somos livres para optar, assumindo a responsabilidade que todo poder nos proporciona. Inclusive o poder de pensar.
Minha escolha profissional dialoga diretamente com essas questões. E desde estudante, construí caminhos de protagonismo tanto de cuidado com o outro, como de cuidado com o mundo. Comecei a fazer atividades comunitárias, a pisar na lama e a sentir o cheiro do Brasil ainda com cara de menina, quando consolidei ainda mais esse pensamento. Não me sinto seduzida pela pompa que a medicina desenhou ao longo de sua história. Encanto-me é com a possibilidade de olhar no olho das pessoas, de sentir o calor que elas passam, rir suas risadas, chorar seus prantos, sejam ricas, sejam pobres. Tenham dentes na boca ou não. Eu quero ajudar a produzir plenitude de vida para mim e para os que me cercam, não necessariamente nessa ordem. Eu sou uma médica que gosta do bicho gente.
Escolhi participar diretamente das entidades médicas há mais de três anos, mas acompanho as posturas do SIMEPE há quase 13 anos. Vi, desde há muito, um sindicato que se destacava por ser diferente.
Era diferente, porque apesar de fazer movimento de área, equivocada construção histórica da organização dos trabalhadores que retroalimenta o “farinha pouca, meu pirão primeiro”, não priorizava uma pauta auto-centrada. Mesmo com todas as contradições e momentos específicos, partilhava a pauta com a agenda de consolidação do SUS, com os demais trabalhadores da saúde e se importava verdadeiramente em construir junto com a opinião pública e sociedade.

Fonte: Brasil 247.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment