Nordeste

Agenda neoliberal de Temer gera desemprego a Pernambuco, diz Humberto

 

 

 Segundo Humberto, o desmantelamento da indústria naval e o sucateamento da Petrobras promovidos pelo governo federal estão atingindo em cheio uma verdadeira locomotiva da economia pernambucana e do país. Foto: Roberto Stuckert Filho


Segundo Humberto, o desmantelamento da indústria naval e o sucateamento da Petrobras promovidos pelo governo federal estão atingindo em cheio uma verdadeira locomotiva da economia pernambucana e do país. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

O líder da Oposição ao governo Michel Temer (MDB) no Senado, Humberto Costa (PT-PE), denunciou, nesta terça-feira (18), as demissões em massa registradas no Complexo Portuário e Industrial de Suape provocadas pela agenda neoliberal do atual presidente. Apenas este mês, o complexo, que abriga cerca de 20 mil trabalhadores, vai mandar 800 para a rua. A refinaria Abreu e Lima desligou mais de 1 mil empregados este ano.

Segundo Humberto, o desmantelamento da indústria naval e o sucateamento da Petrobras promovidos pelo governo federal estão atingindo em cheio uma verdadeira locomotiva da economia pernambucana e do país. E ele não tem esperança que o quadro mude com a chegada de Jair Bolsonaro (PSL) ao Palácio do Planalto, que pretende aprofundar a agenda neoliberal de Temer.

De acordo com o parlamentar, os dois empreendimentos em Pernambuco foram resultado de anos de investimentos feitos pelos governos Lula e Dilma, em parceria com os governadores Eduardo Campos (PSB) e Paulo Câmara (PSB). Um estaleiro como o Atlântico Sul, que manteve 11 mil trabalhadores, hoje não tem mais que 2 mil, com meta de redução para 1,3 mil no ano que vem.

“Era evidente que a agenda neoliberal proposta por Temer, consubstanciada nos termos do documento chamado Ponte para o Futuro, levaria a um largo desmonte de programas sociais, ao aumento da pobreza, à perda de direitos e à venda acelerada do patrimônio nacional”, resumiu.

O líder da Oposição lembrou que o governo chegou a ter cinco ministros pernambucanos na atual gestão, mas que nenhum deles foi capaz de mover um dedo sequer para evitar essa destruição em larga escala pela qual tem passado o Complexo Portuário e Industrial de Suape.

“Temos, hoje, mais de 703 mil desocupados em Pernambuco e sabemos que esse quadro é muito pior se contarmos o número daqueles que estão em subocupações”, lamentou.
Para o senador, Pernambuco sofreu nos últimos dois anos por ter sido retaliado por Temer e também com a intensa crise gerada pelos cortes de direitos da população e das políticas públicas sociais. Mas ele acredita que a situação poderia ser ainda pior.

“Felizmente, o governador Paulo Câmara tem feito um trabalho de muita competência para vencer esse cenário não só de crise, como também de retaliação pelo qual passamos com Temer. Nossa economia, que chegou a crescer mais do que a do próprio Brasil, não pode parar pela incompetência e pela má gestão do governo federal”, declarou.

Humberto ressaltou que o estado foi considerado o quarto mais eficiente do Brasil, o único no Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e que o Ideb mostrou avanços na educação. Ele também lembrou que, apesar de toda a crise nas contas das unidades federadas, Pernambuco está com as finanças em dia e honrando todos os seus compromissos, inclusive com os servidores públicos.

O senador ainda registrou que, no último trimestre, o PIB do Estado cresceu 2,5%, fato que mostra, segundo ele, uma forte resiliência a essa péssima maré econômica que engole o Brasil.

“Nós vamos continuar lutando para impedir esses retrocessos, seguir colocando o nosso mandato em favor da construção de um projeto alternativo que garanta ao povo pernambucano a oportunidade de voltar a desfrutar do período de pleno emprego que lhe foi assegurado durante os anos dos nossos governos”, afirmou.

 

Confira o discurso do senador na íntegra:

Bolsonaro tem que deixar de lado o seu tapadismo para entender o Nordeste, diz Humberto

Humberto:  Precisamos de projetos e programas sérios de Estado que deem oportunidade ao Nordeste para se desenvolver de forma sustentada. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto:
Precisamos de projetos e programas sérios de Estado que deem oportunidade ao Nordeste para se desenvolver de forma sustentada. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

As declarações ofensivas e preconceituosas de Bolsonaro e seus aliados contra o Nordeste, que não se encerraram após o fim das eleições, preocupam o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE). Em discurso no plenário da Casa nesta quarta-feira (21), o parlamentar declarou que a região precisa de políticas públicas sérias, principalmente na área de infraestrutura, e não de discurso de ódio.

Humberto afirmou que a campanha eleitoral já passou e é necessário, agora, elevar o nível do debate político e federativo, deixando de lado o ranço e a visão torta que há sobre os nordestinos.

“Precisamos de projetos e programas sérios de Estado que deem oportunidade ao Nordeste para se desenvolver de forma sustentada. Não há, como Bolsonaro chegou a nos acusar durante a campanha, coitadismo na nossa região. E é preciso que o presidente eleito deixe de lado o seu tapadismo para poder entender isso”, alfinetou.

O senador considera um acinte que um governo que nem começou tenha um ministro que considera o Nordeste um “centro de roubalheira do país”. “Estamos falando de região onde vive um quarto da população brasileira, onde há homens e mulheres reconhecidos pela capacidade de trabalho e, sobretudo, de resistência às imensas adversidades em que vivem”, comentou Humberto.

Segundo ele, o novo governo precisa ficar atento à pauta dos nordestinos, que inclui a conclusão de obras de infraestrutura fundamentais, como a Transnordestina, a transposição do São Francisco, adutoras e barragens, para assegurar o desenvolvimento das potencialidades da região e o crescimento sustentado dos estados.

Ele disse ter ficado impressionado com a declaração do general Augusto Heleno, futuro ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) de Bolsonaro, de que “o Nordeste é o grande centro de roubalheira do país”.

O parlamentar lamentou que a frase não tenha causado nenhuma repreensão por parte do presidente eleito e sequer um pedido de desculpas do próprio militar que a “vomitou”.

“Essa declaração vergonhosa, dada ao jornal Valor Econômico, precisa ser imediatamente reparada antes do início de qualquer diálogo. É inaceitável que Bolsonaro não tenha repreendido, até a presente data, o seu braço direito e futuro ministro do GSI”, criticou.

Humberto lembrou que a perseguição ideológica de membros do governo eleito já causa sérios danos aos brasileiros. O líder da Oposição citou como exemplo o caso da expulsão dos médicos cubanos, que vai deixar quase 30 milhões de brasileiros sem atendimento hospitalar básico. Só em Pernambuco, mais de 400 profissionais deixarão de atuar, inclusive em municípios onde só existiam esses médicos.

Para o líder da Oposição, a diferença entre a forma de pensar do PT e dos partidos de extrema direita é exatamente na forma de pensar o Brasil: enquanto a sigla de esquerda entende que o país precisa de investimentos e inclusão dos mais pobres, os rivais defendem cortes e mais exclusão.

 

Confira o discurso do senador:

Com voto de Humberto, Senado aprova MP que beneficia indústria automobilística no Nordeste

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030.

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Relator, em 2011, da Medida Provisória (MP) que possibilitou a instalação da fábrica da Fiat-Jeep em Goiana, na Mata Norte de Pernambuco, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou, nesta terça-feira (20), que a manutenção dos benefícios fiscais à indústria automobilística no Nordeste é de suma importância para o desenvolvimento regional do país.

O parlamentar votou a favor da MP que prorroga os incentivos fiscais, que venceriam em 2020, para 2030. O texto, aprovado no início da noite pelo plenário do Senado, institui o chamado Programa Rota 2030 e segue, agora, para sanção presidencial.

“A renovação da medida é fundamental para a geração de empregos, tecnologia e para avanços sociais na nossa região. Só em Pernambuco, a fábrica da Fiat-Jeep emprega mais de 13,6 mil funcionários e produziu, só no ano passado, 179 mil veículos. Tudo isso se reflete em aumento das atividades como o comércio e o setor de serviços, desenvolvimento e renda aos pernambucanos”, afirmou.

O senador lembrou que a unidade da Fiat-Jeep em Goiana está transformando a vida de milhares de pessoas e também a qualidade da mão de obra de Pernambuco e do Nordeste: a fábrica tem 95% de trabalhadores nordestinos, sendo 85% pernambucanos.

Humberto avalia que a medida provisória mira no desenvolvimento mais igualitário do Brasil, política iniciada, segundo ele, no governo Lula e continuada no de Dilma. Para o senador, as medidas beneficiam diretamente o polo industrial e o Nordeste.

O líder da Oposição ressaltou que, de acordo com nota técnica da Consultoria do Orçamento da Câmara dos Deputados, os benefícios concedidos pela proposta somarão R$ 2,1 bilhões em 2019. O valor terá que ser previsto no orçamento. A previsão de renúncia é de R$ 1,6 bilhão em 2020 e o mesmo valor em 2021.

“Estamos dando mais uma chance para os nordestinos mostrarem que, em iguais condições, têm capacidade de mostrar ao Brasil que é possível fazer o país crescer de maneira mais democrática. Não dá para ficar centralizando os recursos apenas no centro-sul. É preciso diversificar os investimentos”, comentou.

Nordeste será a grande barreira contra o fascismo e dará vitória a Haddad, diz Humberto em ato no Recife

Humberto: O Nordeste repetirá o que ocorreu no 1º turno: será a grande barreira contra o fascismo. E Pernambuco vai liderar essa luta. Somos um estado libertário. Foto: Ricardo Stuckert

Humberto:
O Nordeste repetirá o que ocorreu no 1º turno: será a grande barreira contra o fascismo. E Pernambuco vai liderar essa luta. Somos um estado libertário. Foto: Ricardo Stuckert

 

Ao lado do candidato à presidência Fernando Haddad e diante de milhares de pessoas no grande ato da virada na Praça do Carmo, no centro do Recife, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT), declarou, na noite desta quinta-feira (25), que o Nordeste vai consolidar a vitória de Haddad neste segundo turno e será, novamente, a grande barreira contra o fascismo no país. Para Humberto, Pernambuco dará a Haddad a maior vitória desta eleição no 2º turno.

“Vamos vencer aquele soldadinho de araque, aquele semianalfabeto que pregoa a violência e discriminação. Aqui, a gente vai dar conta, Haddad, pode ter certeza. Bolsonaro pode querer passar o rolo compressor do fascismo em qualquer lugar, mas aqui em Pernambucano, não. Você ganhará as eleições no domingo”, afirmou.

Se dirigindo ao candidato do partido à Presidência da República e ao povo pernambucano, que lotou a praça histórica onde Zumbi dos Palmares teve a sua cabeça exposta, Humberto afirmou que está sentindo o cheiro de virada no ar e que a felicidade do resultado das urnas em 2002, 2006, 2010 e 2014 será repetida, agora, em 2018.

“O Nordeste repetirá o que ocorreu no 1º turno: será a grande barreira contra o fascismo. E Pernambuco vai liderar essa luta. Somos um estado libertário. Nesta praça, foi colocada a cabeça de Zumbi dos Palmares. A 800 metros daqui, Frei Caneca foi morto pelo poder central. Pernambuco sempre foi um estado de luta e se orgulha da sua história. Somos o estado de Lula, onde Arraes fez história, e seremos também o estado de Haddad”, observou.

O parlamentar perguntou ao público o que Bolsonaro tem para apresentar ao Nordeste e ressaltou que Haddad, junto com Lula, trouxe à região trabalho, emprego, saúde, água, dignidade e condições de pensar no futuro. “Eles ofereceram para nós uma touceira de capim. Mas eles é que terão de comer isso”, disparou.

O líder da Oposição pediu aos brasileiros para que trabalhem intensamente, de manhã, de tarde e de noite, para reverter os votos dos bolsonaristas e ganhar os dos indecisos. Ele convidou os presentes a participarem de uma grande vigília no próximo sábado para a comemoração da vitória no domingo.

“Os pernambucanos fizeram uma grande festa para receber o futuro presidente deste país no dia de hoje. Gritamos aos quatro cantos do mundo que é ele não, Haddad sim, democracia sempre e ditadura nunca mais. Domingo vamos ganhar a eleição”, ressaltou.

Reeleito senador em primeiro lugar com mais de 1,7 milhão de votos, Humberto explicou que o que está em disputa no Brasil é um cenário democrático contra um cenário autoritário. Ele contou que, ao longo dos últimos anos, os governos do PT construíram uma sociedade de inclusão e igualdade, enquanto o outro lado sempre teve como representante o cara do ódio, da discriminação, da violência e da ditadura.

“Não podemos aceitar que um cidadão como esse presida o nosso país. A hora da virada chegou. As pesquisas de hoje, inclusive, já demonstram isso. Vamos todos juntos a favor da democracia e dos brasileiros”, finalizou.

Em Caruaru, Humberto diz que Haddad vai virar eleição e ganhar do “soldadinho de araque”

Em discurso para o povo na rua em Caruaru, no Agreste do Estado, o senador lembrou que, mesmo faltando pouco tempo, as pesquisas de intenção de voto já estão mostrando uma subida de Haddad e uma queda de Bolsonaro, que disparou em rejeição no eleitorado.

Em discurso para o povo na rua em Caruaru, no Agreste do Estado, o senador lembrou que, mesmo faltando pouco tempo, as pesquisas de intenção de voto já estão mostrando uma subida de Haddad e uma queda de Bolsonaro, que disparou em rejeição no eleitorado.

Reeleito com mais de 1,7 milhão de votos em Pernambuco, o líder da Oposição ao governo Temer no Senado, Humberto Costa (PT-PE), afirmou, nesta quarta-feira (24), que está sentindo um movimento de virada eleitoral nesta reta final de campanha que levará Fernando Haddad à vitória no domingo contra o “soldadinho de araque picareta”.

Em discurso para o povo na rua em Caruaru, no Agreste do Estado, o senador lembrou que, mesmo faltando pouco tempo, as pesquisas de intenção de voto já estão mostrando uma subida de Haddad e uma queda de Bolsonaro, que disparou em rejeição no eleitorado.

“Tenho certeza que o brasileiro vai votar com consciência, para garantir um país no futuro sem discriminação às mulheres, aos negros e aos gays. O povo nordestino vai impedir que esse monstro despreparado saia vitorioso nas urnas. Aqui, ele não passará”, disse.

Humberto ressaltou que Bolsonaro já fez diversos ataques aos nordestinos, principalmente às mulheres, e que o deputado considera a região como uma fábrica de fazer filhos para ganhar o Bolsa Família.

“A mulher nordestina, atacada por Bolsonaro, não vota num cara desse. Quem puxa o desenvolvimento do Brasil é o Nordeste. Não queremos ser tratados como coitadinhos, como ele disse ontem. Queremos somente o nosso direito e nossas oportunidades”, disparou.

O parlamentar também criticou uma das principais propostas do adversário de Haddad, que é a defesa do armamento. Segundo Humberto, não é possível votar em uma pessoa que acha que vai resolver o problema da segurança pública do país distribuindo armamento e falando em tortura e mortes.

“Nós não queremos garantir uma arma para cada cidadão. Nós queremos garantir um emprego para cada brasileiro e brasileira e uma vida melhor para todos, sem ódio, preconceito e violência”, declarou.

Humberto, que foi deputado federal entre 1995 e 1999, lembrou que Bolsonaro era considerado um parlamentar folclórico pela quantidade de besteira que pronunciava quando abria a boca. Para o líder da Oposição, o capitão reformado, que é deputado há 28 anos, não pode ser considerado alguém novo e que vai combater o sistema.

“Ele nunca apresentou e aprovou um único projeto em benefício do povo. Nas vezes em que discursava, era pior: só defendia a tortura, a ditadura e votava contra a população. Ninguém nunca levou a sério as asneiras que falava. Agora, aparece como salvador da pátria. Isso não existe”, alfinetou.

O senador ainda criticou o fato de ele fugir dos debates, escondendo dos eleitores o que realmente pensa sobre a educação, a saúde e o mercado de trabalho no país. “Como vamos dar um voto a um cidadão vazio, que foge do confronto e, quando abre a boca, só sai coisa ruim? É hora de viramos esse jogo votando no melhor ministro da Educação que este país já teve”, disse.

Brasil vive descalabro com Temer em todas as áreas possíveis, diz Humberto

Para Humberto, o quadro caótico leva desesperança ao povo brasileiro em relação ao futuro. Foto: Roberto Stuckert Filho

Para Humberto, o quadro caótico leva desesperança ao povo brasileiro em relação ao futuro. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

O Brasil voltou ao Mapa da Fome e à lista suja do trabalho escravo da OIT, o desemprego bate recorde, milhões de brasileiros voltaram à extrema pobreza, programas como o Saúde da Família e o Fies estão sendo dizimados, universidades estão no limbo, nossas maiores empresas estão sendo entregues, a gasolina não para de subir e até doenças já erradicadas estão voltando por falhas nas políticas de saúde.
Este é o quadro de caos atual do país, sob o comando de Michel Temer (MDB), de acordo com o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE). Para o senador, o quadro caótico leva desesperança ao povo brasileiro em relação ao futuro. Mais de 90% da população, de acordo com pesquisas, não acreditam em um futuro melhor do jeito que segue o país.
“Depois que aplicaram aquele golpe terrível, que tirou Dilma Rousseff do governo, o povo quer ver o Brasil feliz de novo. E isso vai acontecer em outubro, com a eleição de Lula como presidente da República”, afirmou.
Ele lamenta que os desempregados e subocupados já somem mais de 27 milhões de pessoas, que a extrema pobreza tenha aumentado 11% no ano passado, fato que arrastou para essa condição mais 15 milhões de brasileiros – dos quais metade está no Nordeste –, e que as universidades tenham perdido mais de R$ 3 bilhões, resultado de uma política que reduziu em R$ 17 bilhões as despesas discricionárias com educação.
O parlamentar ressaltou que o retrocesso das políticas implementadas pela atual gestão vai na contramão, inclusive, de algo consensual no mundo: o governo apoia as grandes corporações defensoras do agrotóxico. Os aliados do Palácio do Planalto aprovaram na Câmara dos Deputados, no fim de junho, um projeto de lei que põe em grave risco a saúde e a segurança da população.
“Esse pacote do veneno vai levar à mesa dos brasileiros produtos cujas fórmulas têm substâncias consideradas cancerígenas. A informação seria omitida do conhecimento do povo nos rótulos, numa clara atitude do Estado de ludibriar os consumidores sobre o real risco daquilo que levam à própria mesa”, explicou Humberto.
O Brasil já é considerado o maior consumidor do Planeta em termo de agrotóxicos e de produtos envenenados, incluindo aqueles proibidos nos países mais desenvolvidos.
“Agora, temos mais esse risco. Vinte e dois dos 50 agrotóxicos utilizados no Brasil são proibidos na Europa e cada brasileiro consome, em média, 5,2 litros de agrotóxicos por ano, um número considerado extremamente alto para os padrões internacionais”, observou.

Humberto cobra liberação de US$ 1 bilhão do BNDES a Estaleiro Atlântico Sul

Foto_Humberto_Site_22052018

 

Preocupado com o quadro desolador em que se encontram os estaleiros brasileiros, na iminência de fechamento depois que o governo Temer tomou medidas que favorecem importações, especialmente da China, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), cobrou, nesta terça-feira (22), a imediata liberação de quase U$$ 1 bilhão do BNDES ao Estaleiro Atlântico Sul, em Pernambuco.

“O governo Temer é um navio a pique, que vai afundar sozinho. Mas não pode levar a nossa indústria naval com ele”, declarou. Segundo Humberto, Pernambuco está às vésperas de um novo desastre econômico, pois o estaleiro deverá suspender 3,7 mil contratos de trabalho para evitar imediatas demissões, em razão da terrível crise que afeta o setor.

O senador explicou que, com as medidas desleais adotadas pelo governo, não há condição mínima da indústria nacional concorrer com o mercado estrangeiro, livre de impostos por conta das ações de Temer.

“A Petrobras vai precisar de 80 plataformas e 210 navios nos próximos 25 anos para explorar o pré-sal. Mas deixará de comprar no Brasil para adquirir lá fora, com imposto zero, gerando empregos na China, na Coreia e em Singapura”, resumiu.

Segundo ele, a indústria naval, depois de ter renascido por obra de Lula e Dilma, com diversas plataformas e navios petroleiros produzidos com inteligência política de conteúdo local, amarga seus piores dias sob Michel Temer. Pernambuco, que gerou dezenas de milhares de empregos diretos e indiretos e impulsionou vigorosamente a economia, que virou uma locomotiva do Nordeste, é um dos alvos.

O parlamentar lembrou que o estrangulamento ocorre também no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, que viraram polos dessa área a partir de políticas implementadas por Lula. Para ele, é preciso restaurar urgentemente a política de conteúdo local e garantir uma desoneração planejada para esse setor estratégico e que tanto emprega.

“A indústria naval precisa ter retomada, rapidamente, uma política de incentivo sustentada. O ministro dos Transportes de Temer, Valter Casimiro, esteve em Pernambuco para ver os estaleiros há um mês. E nada fez. A situação crítica de ameaça de fechamento definitivo dos estaleiros já no ano que vem segue viva”, disparou.

O líder da Oposição avalia que é inadmissível que o governo federal preveja imposto zero para a importação de navios do exterior, enquanto dá as costas para a indústria nacional. Ele garante que é inaceitável que algo que nos orgulhe tanto, pelo trabalho de inteligência e de tecnologia empregado, seja reduzido a pó por esse governo nefasto.

“Pernambuco e o país têm o direito de terem retomados os investimentos na indústria naval, da qual dependem milhares de trabalhadores e as suas famílias. É de uma burrice atroz abandoná-la e deixá-la morrer, quando tudo de que ela precisa é de incentivos para seguir florescendo, como ocorreu quando Lula e Dilma foram presidentes”, ressaltou.

Lula está forte, animado e interessado na situação de Pernambuco, diz Humberto

Humberto contou que Lula demonstrou preocupação com o país e perguntou sobre o Nordeste, especialmente sobre Pernambuco. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto contou que Lula demonstrou preocupação com o país e perguntou sobre o Nordeste, especialmente sobre Pernambuco. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Após visitar Lula e avaliar as condições de carceragem na superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, na tarde desta terça-feira (17), o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), declarou que, apesar de estar indignado com a prisão injusta e sem provas, o ex-presidente segue animado, forte, lúcido e sereno.

O senador contou que Lula demonstrou preocupação com o país e perguntou sobre o Nordeste, especialmente sobre Pernambuco.

“Contei a ele como estão as coisas no nosso Estado. E disse que estamos na luta por ele e com ele”, afirmou Humberto. “Nós, da Comissão de Direitos Humanos do Senado, constatamos que as condições são adequadas para uma prisão. No entanto, o grande problema que Lula frisa o tempo inteiro é o isolamento. Hoje, felizmente, nós quebramos um pouco essa rotina desumana a que ele está submetido como preso político.”

O parlamentar ressaltou que a defesa de Lula quer que ele tenha direito de receber mais visitas. O senador assegurou que vai cobrar do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para que assuma uma postura mais ativa com o objetivo de dar possibilidade para que senadores possam visitar as instalações da PF em Curitiba com frequência – assim como acontece com qualquer unidade prisional do país.

“Lula passa o dia inteiro sem poder receber ninguém, só advogados. Nossa luta é para que ele tenha direito de receber os amigos com mais assiduidade. Também continuaremos atuando para que o Supremo Tribunal Federal (STF) tome uma decisão definitiva sobre o julgamento dele”, disse.

Segundo o parlamentar, Lula disse que é preciso continuar a luta política e social em favor do país, pois acha que, sob Michel Temer, o Brasil está desgovernado e com muitas instituições sem funcionar adequadamente. O senador contou que Lula espera que tudo volte aos eixos para que a população reaprenda a respeitá-las.

Humberto também foi até o acampamento montado ao redor da PF em apoio ao ex-presidente para conversar com a militância. O líder da Oposição agradeceu pela força que ela tem dado e passou o recado de que a luta tem de continuar, pelo bem do Brasil.

Humberto: “Bolsa Família está ameaçado”

Humberto: O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos. Foto: Roberto Stuckert Filho

 
Líder da Oposição, o senador Humberto Costa (PT), disse temer o futuro do Bolsa Família após as declarações do ministro do Desenvolvimento Social e Agrário. Osmar Terra afirmou que pretende acabar o programa e promete criar outro projeto. Segundo Humberto, a iniciativa é uma ameaça a um dos programas mais bem sucedidos dos governos petistas, premiado pela ONU como exemplo de erradicação de pobreza. Hoje, 13,8 milhões de famílias dependem do programa.

“O fim do Bolsa Família é um crime de lesa-pátria. Vai empurrar milhões de pessoas de volta à miséria, à fome e até à morte. O mínimo de dignidade que as pessoas conseguiram ter está sendo tirado. A gente sabe o que o programa significa para o Nordeste, o que significa para aqueles que vivem em situação de vulnerabilidade. O governo Temer parece estar determinado a acabar com todo tipo de avanço que tivemos no País nos últimos anos”, afirmou o senador.

No lugar do Bolsa Família, o ministro promete a criação de um novo programa chamado “Bolsa Dignidade” que criará novas condições para que as famílias tenham acesso ao benefício, como a obrigação de jovens realizarem estágios em empresas privadas e serviços obrigatórios denominados, indevidamente, de “trabalhos voluntários”. “Na prática, o que pretendem é acabar com o programa, dificultando o acesso de famílias ao benefício, reeditando o trabalho infantil e fazendo com que famílias em condição de extrema pobreza se tornem ainda mais vulneráveis”, salientou.

Para o senador, a tentativa de acabar com o Bolsa Família tem objetivos eleitorais. “Todos sabem que o programa é uma das marcas do PT, foi um projeto que pensado e que dá resultados comprovados. Porque, às vésperas da eleição, querem criar outro programa? Que segurança vamos ter sobre os objetivos reais desse projeto?”, questionou Humberto.

Humberto diz que privatização da Chesf é atentado contra o povo nordestino

 

Humberto: Uma empresa privada vê a Chesf apenas como uma oportunidade de negócio, para poder lucrar ainda mais. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: Uma empresa privada vê a Chesf apenas como uma oportunidade de negócio, para poder lucrar ainda mais. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

A declaração do presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, de que vai incluir definitivamente a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) no conjunto de empresas que deverão ser privatizadas no ano que vem, levou o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT), a endurecer o discurso. Para ele, a privatização da Chesf é um “atentado contra o povo nordestino”.

Para Humberto, a Chesf, que abastece 80% das cidades do Nordeste, também tem uma responsabilidade social e ambiental “de valor imensurável”. “Uma empresa privada vê a Chesf apenas como uma oportunidade de negócio, para poder lucrar ainda mais. Mas a Companhia tem papel estratégico para a nossa região. Se prevalecer apenas o interesse econômico, corremos dentro em breve o risco de não vermos mais o Rio São Francisco como vemos hoje”, afirmou.

Humberto também questionou a decisão do governo Temer de privatizar a empresa em um ano eleitoral: “A quem interessa vender o patrimônio nacional em ano de eleição? Quais são os interesses que estão por trás desse tipo de combinação, justamente em um período de transição política, em que vamos escolher o futuro governante do País? Estão querendo dilacerar o patrimônio nacional, entregando-o a preço de banana, e não querem dar sequer a oportunidade de os brasileiros decidirem sobre isso ”.

A expectativa é de que, já na próxima semana, o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, encaminhe o projeto de lei sobre a venda da Eletrobrás e de suas subsidiárias para o Congresso Nacional. “É de fazer vergonha ver ministros pernambucanos apoiando uma ação criminosa como essa. São pessoas que traíram o voto e a confiança do povo pernambucano e que, agora, apoiam a destruição de uma das maiores e mais importantes empresas públicas do Nordeste”, sentenciou Humberto Costa.

Página 1 de 2312345...1020...Última »