Humberto diz que venda da Amazônia é sentença de morte da floresta

No Senado, Humberto lidera oposição a projeto de Temer que acaba com reserva no Norte do país. Foto: Roberto Stuckert Filho

No Senado, Humberto lidera oposição a projeto de Temer que acaba com reserva no Norte do país. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

A mobilização contra a decisão do governo de Michel Temer (PMDB) de extinguir a Reserva Nacional do Cobre e Associados (Renca) segue crescendo em todo o País. No senado, o líder da Oposição, Humberto Costa (PT-PE), chamou a medida, que abre o caminho para a exploração de uma área de cerca de 45 mil quilômetros na Amazônia pela mineração privada, de “sentença de morte da floresta”.

Para o senador, a medida pode ter um efeito irreversível. “Temer já deixou claro que, para se manter no poder, faz qualquer negócio. E isso inclui acabar com uma área equivalente ao estado do Espírito Santo, do tamanho da Suíça, dentro da Amazônia. É um crime horrendo. Enquanto os principais países do mundo têm na sua pauta a questão da preservação, o Brasil está dizimando a maior floresta do planeta. Vamos derrubar árvores para explorar minérios. É algo tão abjeto quanto esse governo”, atacou Humberto.

Segundo o senador, a medida atende interesses da bancada ruralista, que votou maciçamente pelo golpe contra Dilma Rousseff e em favor do engavetamento da denúncia feita pelo Ministério Público contra Temer. “Esta ação é o primeiro passo para o avanço do desmatamento e da grilagem na área. Uma vez que as empresas privadas comecem a explorar a localidade, vamos seguir num caminho sem volta para o fim da maior floresta do mundo e o mais importante patrimônio nacional”, afirmou.

Desde 1984, estava em vigor um decreto que determinava que somente a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), vinculada ao Ministério de Minas e Energia, avaliaria as ocorrências de minérios na reserva. Cerca de 90% da área dela estão destinados a terras indígenas e unidades de conservação. Os outros 10% das terras públicas são cobertos por floresta.

Segundo o senador, a medida é uma ameaça à população indígena. “Além de ser um grande problema para o meio ambiente, a exploração da reserva por grupo privados atinge diretamente diversas populações indígenas da região que ficarão ainda mais vulneráveis a ação de grileiros e de mineiros”, denunciou Humberto.

Esta semana, serão realizados atos em diversas cidades do país pedindo a saída de Temer e contra a decisão do governo de permitir a exploração da Amazônia. “Vamos seguir mobilizando e denunciando. Só com uma grande ação poderemos barrar mais esse retrocesso”, avalia. Vários artistas também estão mobilizados contra a medida e já se manifestaram publicamente contra a decisão de Temer, como a modelo Gisele Bündchen, o cantor Caetano Veloso e a atriz Regina Casé.