Movimento suprapartidário consolida frente ampla em defesa da democracia e de Lula, diz Humberto

Humberto: Denunciamos que Lula é um preso político. E o maior líder brasileiro foi encarcerado para que não possa concorrer nas próximas eleições. Foto: Roberto Stuckert Filho

Humberto: Denunciamos que Lula é um preso político. E o maior líder brasileiro foi encarcerado para que não possa concorrer nas próximas eleições. Foto: Roberto Stuckert Filho

 

Após participar de uma reunião no gabinete da senadora Lídice da Mata (PSB-BA), na tarde desta quarta-feira (11), para articular o lançamento da ampla frente em defesa da democracia e pela liberdade de Lula, o líder da Oposição no Senado, Humberto Costa (PT-PE), declarou que o movimento contra o desrespeito à Constituição está crescendo em todo o país.

O encontro foi marcado pela união dos partidos progressistas do campo da esquerda contra todas as ilegalidades que estão sendo cometidas contra o ex-presidente, contra o sistema político e eleitoral e contra as liberdades individuais. A avaliação é de que, depois do impeachment de Dilma, o processo de atentado ao Estado de direito segue a todo vapor e deve ser impedido.

“Denunciamos que Lula é um preso político. E o maior líder brasileiro foi encarcerado para que não possa concorrer nas próximas eleições. Isso é amplamente acolhido pelos grandes veículos de comunicação em todo o mundo”, disse.

Além dessa iniciativa no Senado, Humberto destacou, em discurso na tribuna do plenário, que está sendo formada no Brasil, também, uma ampla e sólida frente, com lideranças de diversos partidos políticos, da classe artística, dos movimentos sociais e dos mais variados setores sociais, que enxergam nesse processo um atentado à democracia.

De acordo com Humberto, o movimento nada tem nada a ver com a candidatura de Lula à Presidência, que o PT defende, vai registrar e levar às últimas consequências, pois tem a plena certeza da ilegitimidade da condenação e confiança de que “essa anomalia será corrigida, no momento oportuno, pelas instâncias superiores”.

“Tratamos nessa frente da defesa da democracia brasileira e da necessidade de uma resistência social a esses retrocessos inaceitáveis. Estamos cientes de que o golpe após o golpe, que é tentar tirar Lula da disputa presidencial, irá ser finalizado com a permanência de Lula na prisão”, afirmou.

Segundo ele, há um diálogo em todos os níveis, com todas as forças progressistas, para a construção de uma pauta “que una a todos pelos largos pontos convergentes, em vez de separar pelas não tão grandes divergências”.