No Parlamento do Mercosul, Humberto denuncia golpe no Brasil e pede reação internacional

Humberto alertou que é preciso haver reação dura e urgente contra esse movimento, sob pena de ver o continente passar por uma nova onda de deposições de governantes legitimamente eleitos. Foto: Divulgação

Humberto alertou que é preciso haver reação dura e urgente contra esse movimento, sob pena de ver o continente passar por uma nova onda de deposições de governantes legitimamente eleitos. Foto: Divulgação

 

 

Membro do grupo de parlamentares do Mercosul (Parlasul), o líder do Governo Dilma, Humberto Costa (PT-PE), denunciou nesta segunda-feira (23), em reunião realizada em Montevidéu com a presença de deputados e senadores de todos os países que compõem o bloco, o “golpe” contra a democracia que foi aplicado no Brasil “por deputados e senadores oposicionistas que rasgaram a Constituição, em uma conspiração urdida pela elite econômica e pelos grandes grupos de mídia do país”.

“O que denuncio aqui é que o Brasil foi vítima de um lamentável golpe de Estado, que não coloca em risco somente a jovem democracia do país, mas também se configura como ameaça a todas as democracias da nossa América Latina”, declarou.

Em longo discurso, Humberto alertou que é preciso haver reação dura e urgente contra esse movimento, sob pena de ver o continente passar por uma nova onda de deposições de governantes legitimamente eleitos, “desta vez por quarteladas civis, que nada mais são do que o equivalente funcional contemporâneo dos golpes militares de ontem”.

Humberto ressaltou que toda a trama “suja” foi articulada e coordenada pelo atual presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), que hoje, “sem votos e sem legitimidade”, ocupa interinamente a cadeira que Dilma conquistou por meio das urnas. “Ele é do mesmo partido do corrupto presidente da Câmara dos Deputados – atualmente, afastado das funções pela Justiça – que o ajudou para tomar o poder de assalto”, afirmou.

Ao descrever a tramitação de todo o processo contra Dilma no Brasil, Humberto declarou que não há dúvida de que houve uma clara ruptura da ordem democrática no país.

“Um golpe sem tanques e sem fuzis, um golpe sem o uso das forças armadas. Um soft golpe, como chamam alguns, um golpe moderno, em que um parlamento corrompido – respaldado pela elite econômica e pela mídia – manobra a Constituição e as demais leis para dar um verniz de legalidade à ação que visa retirar do poder um governante que não lhes agrade”, disse.

Ele lembrou que a presidenta foi acusada de ter descumprido a meta fiscal em cerca de US$ 200 milhões no ano passado, dentro de um orçamento de US$ 400 bilhões, e de ter utilizado o Banco do Brasil para financiar o Plano Safra 2015, uma política agrícola do Estado de incentivo aos produtores rurais.

“É absurdo. Ao contrário de muitos que a afastaram, Dilma não responde a qualquer inquérito na Justiça. Não é ré. Não se apropriou de dinheiro público. É uma mulher limpa e honrada, que sofreu os horrores da ditadura militar brasileira, foi presa e torturada, e, novamente, se vê vítima de uma ação injusta perpetrada pelo Estado brasileiro”, registrou.

O parlamentar observou que não está sozinho na denúncia que formaliza diante do Parlamento do Mercosul. Ele listou várias personalidades mundiais contrárias ao golpe aplicado no Brasil, como o filósofo americano Noam Chomsky; o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luiz Almagro; o presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Roberto Caldas; e o Nobel da Paz argentino, Adolfo Pérez Esquivel.

Humberto também lembrou que alguns dos principais veículos de comunicação do mundo, como o New York Times, The Guardian, Le Monde, chegaram à mesma conclusão: um bando de parlamentares corrompidos afastou do cargo uma presidenta honesta. “Isso é um claro e escancarado golpe de Estado”, reforçou.

Desmonte
Durante a longa fala aos parlamentares do Mercosul, Humberto também fez questão de falar sobre os retrocessos que já observa no governo “golpista”. O senador ressaltou que as mulheres e os negros foram expulsos do ministério, a pasta da Cultura foi extinta e as demarcações das terras dos descendentes de escravos foram submetidas a uma área comandada pelos grandes proprietários rurais.

“O nosso sistema público de saúde, de acesso e cobertura universais, começa a ser esfacelado em favor da iniciativa privada. Uma pauta legislativa assustadora contra os trabalhadores, a igualdade de gênero, a discussão sobre o aborto mostra a sua face porque o presidente interino nomeou como seu líder na Câmara um deputado evangélico conservador, que é réu na Suprema Corte por tentativa de homicídio”, afirmou.