Humberto será observador internacional das eleições da Argentina

22366847305_9ab4da75bd_z
Humberto integra delegação que vai acompanhar disputa no país vizinho. Foto: Alessandro Dantas/ Liderança do PT no Senado

 
O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), foi convidado a participar das eleições gerais da Argentina, que serão realizadas no próximo domingo (25), na qualidade de observador internacional. O senador viaja ao país vizinho nesta sexta-feira como membro da Representação Brasileira no Parlamento do Mercosul (ParlaSul) e será responsável por acompanhar os preparativos para o evento e os resultados, após o encerramento do processo de votação.
Mais de 32 milhões de argentinos vão às urnas em todo o país no domingo para escolher o novo presidente do país, sucessor da presidente Cristina Kirchner, renovar os governos de 11 províncias, parte da Câmara de Deputados e do Senado. Pela primeira vez, eles também irão votar diretamente nos legisladores do ParlaSul.
Segundo as pesquisas de intenção de voto, os postulantes com melhor desempenho para assumir a Casa Rosada são o governista Daniel Scioli, apoiado por Cristina Kirchner, e o oposicionista Mauricio Macri, prefeito de Buenos Aires.
“Será uma experiência muito interessante para conhecer e apreciar plenamente o contexto em que as eleições e as questões relativas à organização eleitoral de uma grande país vizinho, especialmente em seus aspectos logísticos e operacionais, se desenrola”, avalia Humberto.
O brasileiro será integrante da chamada Delegação da Democracia, composta por um representante de cada país do Mercosul e que integra o Programa de Visitantes Internacionais para as Eleições da Argentina.
“A Argentina é um grande país democrático que conta com o apoio institucional de agências, autoridades e peritos eleitorais. Nós, parlamentares do ParlaSul, iremos observar os trabalhos, principalmente os relacionados à inédita escolha direta dos membros argentinos que irão compor o Parlamento do bloco”, explica Humberto.
O Brasil, integrante do ParlaSul, ainda não estabeleceu data para as suas eleições. Porém, assim como outros países, deverá promover eleições diretas até 2020, segundo acordo político firmado no âmbito do Mercosul.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment